MENU

15/11/2022 às 18h49min - Atualizada em 15/11/2022 às 17h04min

Muito obrigado, Milton Nascimento!

Paulo Galvão Júnior

Paulo Galvão Jr.

Paulo Galvão Jr.

Economista, escritor, palestrante, professor de Economia no UNIESP, autor de 12 eBooks de Economia pela Editora UNIESP e Conselheiro do CORECON-PB.

Em 13 de novembro de 2022, no Mineirão lotado, ocorreu o último show do cantor e compositor brasileiro Milton Nascimento, aos 80 anos. Quem acompanhou ao vivo no estádio, pela Globoplay ou como nós pelas reprises do YouTube, ficamos emocionados com as belíssimas canções de Milton Nascimento.
 
Em Belo Horizonte, exatamente na região da Pampulha, o carioca Milton Nascimento encerrou uma riquíssima produção musical de 60 anos. Aos 13 anos de idade ganhou o seu primeiro violão, inicialmente tocando e cantando na noite, depois lindas canções sobre as montanhas e os trens de Minas em vários shows e assim produziu 42 álbuns em sua carreira. 
 
A voz, o coração e a alma mineiras de Bituca em duas horas e meia provocaram fortes emoções em mais de 57 mil pessoas. Milton Nascimento cantou várias músicas pela última vez no show como “Ponta de Areia”, “Canção do Sal”, “Morro Velho”, “Outubro”, “Vera Cruz”, “Pai Grande”, “Para Lennon e McCartney”, “Cais”, “Tudo o que Você Podia Ser”, “Cravo e Canela”, “San Vicente”, “Clube da Esquina 2”, “Nada Será Como Antes”, “A Última Sessão de Música”, “Fé Cega, Faca Amolada”, “Volver a los 17”, “Cálix Bento”, “Cio da Terra”, "Canção da América”, “Trem Azul”, “Amor de Índio”, “Caçador de Mim”, “Nos Bailes da Vida”, “Bola de Meia, Bola de Gude”, “Maria, Maria”, “Encontros e Despedidas” e “Travessia”.
 
Esta última música foi uma das mais tocadas na minha juventude ao frequentar o saudoso Bar Travessia, na Praia de Manaíra, na capital paraibana, nas noites enluaradas para cantar, ouvir e dançar belas músicas da Música Popular Brasileira (MPB), em especial, de Milton Nascimento.
 
O cantor Milton Silva Campos do Nascimento nasceu na cidade do Rio de Janeiro, na favela do bairro da Tijuca, em 26 de outubro de 1942. Com a morte da sua mãe antes de completar dois anos de idade, ele foi morar com a avó materna em Juiz de Fora, em Minas Gerais (MG). E três anos depois foi adotado por Lília Silva, uma professora de música, e mudou com a nova família para Três Pontas, em MG.
 
Com Wagner Tiso, em 1950, Bituca montou o seu primeiro grupo musical, o Luar de Prata. Em 1962, grava a sua primeira canção intitulada Barulho de Trem. Em 1963, Bituca se muda para Belo Horizonte, para o bairro Santa Tereza, onde pretendia estudar Economia, mas, conheceu os irmãos Lô, Márcio e Marilton Borges, depois Toninho Horta, Beto Guedes e Fernando Brant e assim surgiu o Clube da Esquina, o encontro das ruas Divinópolis com Paraisópolis, na capital mineira, e, posteriormente, lançaram o famoso álbum “Clube da Esquina” em março de 1972, com 21 músicas e sendo eleito em 2022, o melhor disco brasileiro de todos os tempos. É preciso revelar que o álbum duplo “Clube da Esquina” foi concebido na cidade de Niterói, no Rio de Janeiro e já completou 50 anos de sucesso.

Os compositores Milton Nascimento e Fernando Brant fizeram lindas músicas como "Travessia", "San Vicente", "Canção da América", "Maria, Maria", "Bola de Meia, Bola de Gude" e "Nos Bailes da Vida". E o cantor brasileiro Milton Nascimento participou várias vezes do renomado Montreux Jazz Festival (MJF), em Montreal, no Canadá, e segundo o próprio Bituca, é o festival favorito dele no mundo, porque toda a cidade de Montreal fica repleta de artistas por 16 dias e reforçando sua valiosa canção: “Todo artista tem de ir aonde o povo está. Se foi assim, assim será”.
 
Em 1979, no MJF, o mais importante festival de jazz do mundo, a saudosa cantora gaúcha Elis Regina cantou a bela música “Ponta de Areia”, a mesma música que Milton Nascimento abriu em Minas Gerais o seu último show. “Este show é dedicado à minha querida Gal Costa”, disse Bituca. Infelizmente, a cantora baiana Gal Costa morreu aos 77 anos, em São Paulo, quatro dias antes pela manhã. E posteriormente, “Elis Regina foi o amor da minha vida”, enfatizou Bituca e eles se conheceram na Praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, no ínicio dos anos 1960. Com certeza, este derradeiro show da sua carreira foi lindo, emocionante, maravilhoso, inesquecível.

Com certeza, Milton Nascimento é um dos maiores músicos da MPB e do mundo. E Milton Nascimento ganhou cinco vezes não consecutivos o Grammy Award. Enfim, Bituca de boina, de óculos escuros e sentado numa cadeira cantou com o povo brasileiro: “Eu queria ser feliz, invento o mar”, “Os sonhos não envelhecem”, “Qualquer maneira de amor vale à pena” e “Amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito”. Sim, sempre celebrando a vida, a democracia, o amor e a amizade. Muito obrigado, Milton Nascimento!
 
Referências
ARRUDA, Renata. Milton Nascimento: a biografia de um dos maiores nomes da música. Disponível em: https://www.letras.mus.br/blog/milton-nascimento-biografia/. Acesso em: 15 Nov. 2022. 
NASCIMENTO, Milton; BORGES, Lô. Clube da Esquina. Disponível: https://www.youtube.com/watch?v=WwTf61AZNEo. Acesso em: 15 Nov. 2022.
Link
Leia Também »
Comentários »