MENU

10/05/2021 às 10h53min - Atualizada em 10/05/2021 às 10h53min

'China não cumpre padrões responsáveis', diz Nasa após destroços de foguete caírem no Oceano Índico

A maior parte dos componentes da nave se desintegrou na reentrada na atmosfera terrestre

Redação North News
com informações do G1
Mapa mostra onde caíram os destroços do foguete chinês (Foto: G1)
 
Os destroços do foguete da China cuja reentrada na atmosfera terrestre era esperada há alguns dias, caíram no Oceano Índico, a oeste do arquipélago das Maldivas, informou a mídia estatal chinesa no início da madrugada de domingo.

A maior parte dos componentes se desintegrou pelo forte atrito com o ar.

As partes do foguete Longa Marcha 5B, de 18 toneladas, reentraram na atmosfera às 10h24, horário de Pequim, final da noite de sábado (8) no Brasil, e caíram nas coordenadas de 72,47° de longitude leste e 2,65° de latitude norte, informou o Escritório Chinês de Engenharia Espacial em comunicado.

As coordenadas colocam o ponto de impacto no oceano, a oeste do arquipélago das Maldivas.

O site Space-Track, baseado em dados militares dos Estados Unidos, também confirmou a entrada na atmosfera da nave descontrolada e o local da queda.

A queda do material espacial gerou críticas da agência espacial dos EUA, a Nasa.

"Nações que fazem viagens espaciais devem minimizar os riscos para pessoas e propriedades nas reentradas na Terra e maximizar a transparência em relação a essas operações", disse Bill Nelson, ex-senador e astronauta escolhido para o cargo em março, numa nota divulgada após a confirmação do que ocorreu com os destroços.

"Está claro que a China não está cumprindo os padrões responsáveis ​​em relação a seus detritos espaciais".

As autoridades chinesas alegaram que o giro fora de controle do segmento do Long March 5B representou pouco perigo.

O país asiático colocou em órbita o primeiro módulo de sua estação espacial em 29 de abril, graças ao foguete Longa Marcha 5B – o mais poderoso e imponente lançador chinês. Foi a primeira parte deste foguete que retornou à Terra.

Mais 10 missões semelhantes estão programadas até o fim da construção da estação, em 2022.

Avanço espacial
Em 2020, destroços de outro foguete chinês caíram em vilarejos na Costa do Marfim, causando danos, mas sem feridos. Em abril de 2018, o laboratório espacial chinês Tiangong-1 se desintegrou ao entrar na atmosfera, dois anos depois de parar de funcionar.

A China vem investindo bilhões de dólares em seu programa espacial há várias décadas. O país asiático enviou seu primeiro astronauta ao espaço em 2003. No início de 2019, pousou um robô no lado oculto da Lua.

No ano passado, trouxe amostras da Lua e finalizou o Beidou, seu sistema de navegação por satélite (concorrente do GPS americano). Pequim planeja pousar um robô em Marte nas próximas semanas e também anunciou sua intenção de construir uma base lunar com a Rússia.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.5%
4.8%
7.7%