MENU

08/06/2021 às 12h25min - Atualizada em 08/06/2021 às 12h25min

Pesquisas do Reino Unido atestam que aspirinas não aumentam a chance de sobrevivência em pacientes com Covid-19

A pesquisa foi feita em 15.000 pacientes internados com a doença

Redação North News
Toronto Sun
GAZETA DO POVO

A aspirina não melhora as chances de sobrevivência em pacientes com COVID-19 gravemente enfermos. Os primeiros resultados de um dos maiores testes da Grã-Bretanha estudando o analgésico comumente usado e anticoagulante mostraram na terça-feira.

 

Os cientistas por trás do estudo, que está investigando uma série de tratamentos potenciais para COVID-19, avaliaram os efeitos da aspirina em cerca de 15.000 pacientes hospitalizados infectados com o novo coronavírus, descoberto em dezembro de 2019.

 

Como o medicamento ajuda a reduzir a formação de coágulos sanguíneos em outras doenças, ele foi testado em pacientes com COVID-19 que apresentam maior risco de problemas de coagulação.

 

“Embora a aspirina tenha sido associada a um pequeno aumento na probabilidade de receber alta com vida, isso não parece ser suficiente para justificar seu uso generalizado para pacientes hospitalizados com COVID-19”, disse Peter Horby, co-investigador principal do estudo.

 

No estudo, denominado RECUPERAÇÃO, pouco menos da metade dos pacientes foram selecionados aleatoriamente e receberam 150mg de aspirina uma vez ao dia, e os demais receberam apenas os cuidados habituais.

 

O ensaio, conduzido pela Universidade de Oxford, também está analisando a eficácia de vários outros tratamentos e foi o primeiro a mostrar que o esteróide dexametasona amplamente disponível pode salvar vidas de pessoas gravemente doentes com COVID-19.

 

O estudo da aspirina não mostrou nenhuma mudança significativa no risco de os pacientes progredirem para ventilação mecânica invasiva. Para cada 1.000 pacientes tratados com o medicamento, acima de seis tiveram um evento hemorrágico importante e abaixo de seis tiveram um evento de coagulação, disse Oxford.

 

Oxford divulgou que os resultados serão publicados no portal online medRxiv, e foram submetidos para publicação em uma revista médica.

 

RECUPERAÇÃO também mostrou que o tratamento antiinflamatório com tocilizumabe reduziu significativamente as mortes, mas não encontrou nenhum benefício para os pacientes com COVID-19 com medicamentos como o antibiótico azitromicina e o medicamento antimalárico hidroxicloroquina.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.5%
4.2%
8.3%