MENU

24/06/2021 às 12h35min - Atualizada em 24/06/2021 às 12h35min

Assembly of First Nations encontra 751 túmulos em outra antiga Escola Residencial de Saskatchewan

A descoberta faz parte das investigações prometidas pelo governo federal no início de junho, após 215 corpos de crianças indígenas terem sido encontrados na Escola Residencial de Kamloops.

Toronto Star
https://www.thestar.com/news/canada/2021/06/24/first-nation-finds-751-unmarked-graves-on-site-of-former-saskatchewan-residential-school.html
Toronto Star

A Assembleia das Primeiras Nações (Assembly of First Nations) de Saskatchewan encontrou 751 túmulos não reconhecidos no local de uma antiga escola residencial.

 

Cadmus Delorme, chefe da Cowessess First Nations, fez o anúncio em uma entrevista coletiva virtual. Delorme disse que ainda não está claro se todos os túmulos contêm restos mortais de crianças. Eles foram encontrados no local da Escola Residencial Indígena de Marieval, administrada pela Igreja Católica Romana.

 

“Estamos tratando isso como uma cena de crime no momento”, disse Delorme.

 

A descoberta em Saskatchewan ocorreu menos de um mês depois que os restos mortais de 215 crianças foram encontrados em sepulturas não identificadas no local de uma antiga escola residencial em Kamloops, B.C. Essa descoberta levou a uma nova avaliação do legado das escolas residenciais do Canadá e novos apelos para pesquisar os terrenos de todas as antigas escolas residenciais em todo o país, e até mesmo nos Estados Unidos.

 

No início deste mês, Ontário comprometeu US $10 milhões para apoiar esforços liderados por indígenas para investigar locais de sepultamento em antigas escolas residenciais. Outras províncias fizeram anúncios semelhantes. Na última terça-feira, a secretária do Interior dos Estados Unidos, Deb Haaland, disse que seu departamento lançou uma investigação de locais de sepultamento em potencial nos chamados internatos indianos, que eram semelhantes às escolas residenciais do Canadá.

 

O Canadá já teve cerca de 130 instituições espalhadas por todo o país. O último fechou as portas na década de 1990. A Comissão de Verdade e Reconciliação estima que cerca de 150.000 crianças das Primeiras Nações, Inuit e Métis frequentaram essas escolas residenciais.

 

Quando a comissão concluiu seu trabalho em 2015, determinou que pelo menos 3.200 crianças morreram em escolas residenciais. (Desde 2015, o Centro Nacional para a Verdade e a Reconciliação adicionou 980 nomes ao seu registro memorial, e seu trabalho continua em andamento.)

 

Crianças em escolas residenciais morreram em uma taxa muito maior do que a população em geral, de acordo com a pesquisa da Comissão. Durante a maior parte da história das escolas, concluiu a comissão, elas não devolveram os corpos de crianças que morreram às suas comunidades de origem devido aos custos.

 

“O fracasso em estabelecer e aplicar padrões adequados, juntamente com o fracasso em financiar adequadamente as escolas, resultou em taxas de mortalidade desnecessariamente altas em escolas residenciais”, concluiu a comissão.

 

Em quase um terço das mortes, o nome da criança não foi registrado; quase metade não listou a causa da morte.

 

Também não havia uma política formal governando o enterro de estudantes que morreram, escreve Scott Hamilton, chefe do departamento de arqueologia da Lakehead University, em seu relatório para a comissão sobre enterros sem identificação e crianças desaparecidas.

 

“Em vez disso, o enterro de alunos falecidos parece ser bastante desorganizado e varia de escola para escola.”

 

Marieval estava localizado no Vale Qu'Appelle, no sudeste de Saskatchewan, e inicialmente operado por freiras da Igreja Católica Romana, de acordo com uma história contada em um ebook chamado "Shattering the Silence", publicado pela Universidade de Regina em 2017 como um recurso para professores.

 

O governo federal comprou a escola por $70.000 em 1926.

 

Em 1949, pais de crianças da reserva Cowessess pediram ao governo uma escola diurna não religiosa que pudesse fornecer um “padrão mais alto de educação”, mas foram negados. O governo federal assumiu a escola em 1968, antes que o terreno de Cowessess a assumisse em 1981. A escola foi fechada em 1997.

 

O prédio em si foi demolido em 1999 - uma mudança polêmica na época que ilustrou o dilema representado pelas antigas escolas espalhadas por todo o país.

 

Enquanto alguns na comunidade queriam que a escola fosse preservada como um museu e um lembrete dos abusos físicos e sexuais sofridos lá, outros consideraram que era uma marca suja que precisava ser removida para abrir caminho para uma nova escola, de acordo com uma reportagem da Canadian Press de 1999.

 

O relatório de Hamilton diz que, enquanto a própria escola foi demolida, a "igreja, reitoria e cemitério permaneceram."

 

- Com arquivos de Alex Boyd

 

A Indian Residential Schools Crisis Line está disponível 24 horas por dia para qualquer pessoa que sinta dor ou angústia como resultado de uma experiência em uma escola residencial. O suporte está disponível em 1-866-925-4419.
 

 

Coautoria: Viktória Matos

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.2%
5.2%
7.6%