MENU

04/07/2021 às 11h36min - Atualizada em 04/07/2021 às 11h36min

Parlamentar conservador que luta contra a 'proibição de sangue' gay diz que o Parlamento poderia ter funcionado 'melhor' no C-6

Eric Duncan luta pelo direito de homens gays doarem sangue, contra a terapia de conversão sexual e à favor dos direitos LGBT

Redação North News
City News
THE CANADIAN PRESS/Adrian Wyld

Eric Duncan falou mais sobre sua sexualidade nos últimos dois anos do que em todos os seus 33 anos.

 

O membro conservador do Parlamento falou abertamente na Câmara dos Comuns sobre ser gay enquanto pressionava o governo liberal a cumprir uma dupla promessa de campanha para acabar com a proibição da doação de sangue de homens gays.

 

Esta sessão do Parlamento assumiu uma atmosfera altamente partidária que o Primeiro-Ministro Justin Trudeau descreveu recentemente como tóxica, intensificando as especulações de que os eleitores canadenses podem ir às urnas antes que os parlamentares voltem das férias de verão.

 

Em uma recente entrevista à The Canadian Press, no entanto, Duncan descreveu ser capaz de lançar uma luz sobre a questão que o afeta profundamente, com algum incentivo de um colega da convenção política, como um exemplo de como o Parlamento pode funcionar.

 

O Canadá introduziu uma proibição vitalícia para gays em 1992 e em 2013 mudou para que o sangue fosse aceito de um homem que se absteve de sexo com outro homem por pelo menos cinco anos.

 

O período de espera caiu para um ano e passou a ser de três meses em 2019.

 

Naquele ano, Duncan tornou-se um parlamentar novato - o primeiro homem assumidamente gay a ser eleito sob a bandeira do Partido Conservador do Canadá.

 

Duncan não é o primeiro parlamentar a pedir o fim da proibição, mas fez de uma forma particularmente pessoal em novembro passado. Ele pressionou repetidamente a Ministra da Saúde Patty Hajdu em uma audiência do comitê na Câmara dos Comuns sobre se ela aceitaria seu sangue, que ele disse que não poderia doar, apesar da necessidade criada pela pandemia COVID-19.

 

Hajdu concordou que a política era discriminatória, mas, em última análise, estava sob o controle dos independentes Canadian Blood Services e da Hema-Quebec.

 

Duncan disse depois que alguns parlamentares liberais o agradeceram por ter levantado a questão.

 

Ele creditou a ideia à pessoa que estava sentada atrás dele: a parlamentar conservadora de longa data e crítica de saúde Michelle Rempel Garner.

 

Melhorar a igualdade para aqueles na comunidade LGBT é algo pelo que Rempel Garner diz lutar há muito tempo.

 

“Eu disse a Eric, você estaria disposto a pressionar (Hajdu) sobre isso? Porque eu sei que você é apaixonado por isso. Você poderia pressioná-la com força, tipo, e eu estou falando sobre perguntar a ela se ela tomaria seu sangue", disse ela. “E ele disse, ‘Uau’”.

 

Duncan diz que inicialmente não se sentia confiante, sendo que ele era um parlamentar novato decidido a enfrentar uma ministra sênior do gabinete. Ele diz que também não tinha certeza se queria compartilhar sua história pessoal.

 

Rempel Garner disse que o fato de ter feito isso exigia coragem.

 

Duncan ri e diz que lhe deve um ou dois drinques.

 

“Para poder sair e compartilhar uma história, compartilhar uma experiência de vida e tentar fazer mudanças, é por isso que todos nós vamos lá”, disse ele. “Há mais coisas para mim do que ser um homem gay. Mas é uma parte importante de quem eu sou.”

 

Recentemente, a Canadian Blood Services disse que até o final de 2021, recomendaria à Health Canada que removesse o período de espera e realizasse a triagem de todos os doadores com base no comportamento sexual.

 

Duncan considera inaceitável que uma revisão possa significar que a proibição permaneça em vigor por mais um ou dois anos, mas pode ver a situação através de um “copo meio cheio” por causa do novo holofote.

 

“Isso mostra como o Parlamento ainda tem uma função útil, onde um cara de uma pequena cidade da zona rural do leste de Ontário pode se levantar e podemos colocar um problema no radar nacional.”

 

As coisas não foram tão bem quando se tratou da legislação governamental que proíbe a terapia de conversão, o que dividiu a facção política conservadora.

 

O governo busca criminalizar a prática amplamente desacreditada de tentar alterar a orientação sexual ou identidade de gênero de uma pessoa.

 

A legislação proposta, conhecida como Projeto de Lei C-6, foi aprovada na Câmara dos Comuns com 62 dos 119 parlamentares conservadores opostos.

 

Os parlamentares liberais rapidamente condenaram a divisão como prova de que o partido não defende os direitos LGBT.

 

Após a votação, o partido conservador prometeu legislar uma proibição da terapia de conversão por conta própria caso o governo não fosse aprovado, refletindo os esforços da líder Erin O'Toole para ampliar o apoio a um partido que viu seu histórico em tais questões ser uma fonte de ataques.

 

Alguns de seus parlamentares que votaram contra o Projeto de Lei C-6 divulgaram declarações, insistindo que se opõem à prática coercitiva, mas tiveram problemas com a forma como ela foi definida.

 

Eles argumentaram que o projeto de lei foi redigido de forma muito ampla e ameaçou a capacidade dos pais e líderes religiosos de falar livremente com as crianças sobre sexo e gênero, o que o governo considerou uma distração.

 

Duncan apoiou a Lei C-6 e disse que alguns colegas lhe fizeram perguntas sobre isso. Quando se trata de como o grupo político votou, ele acha que algum "trabalho de bom senso" com emendas poderia ter ajudado a reduzir a divisão, que é como O'Toole a defendeu.

 

“Em um nível mais alto, acho que houve uma oportunidade para o melhor lado do Parlamento se mostrar.”

 

 Agora não está claro se o projeto se tornará lei, já que o Senado foi adiado para o verão sem tê-lo aprovado e o Parlamento poderia se dissolver para uma eleição.

 

Os liberais novamente culpam os conservadores pelo projeto de lei que bloqueou o andamento da situação.

 

O senador conservador Leo Housakos argumentou que Trudeau teve seis anos para propor tal proibição, que precisa de tempo para ser examinada porque mudaria o Código Penal.

 

Os liberais introduziram uma versão anterior do projeto de lei em março de 2020, mas ele morreu no papel de ordem quando Trudeau prorrogou o Parlamento no verão passado. Os liberais o reintroduziram em outubro.

 

“Eles trouxeram essa legislação tão tarde, que sabiam muito bem que não havia tempo para aprová-la no Parlamento”, disse Housakos.

 

O representante do governo na câmara alta, o senador Marc Gold, divulgou uma carta na sexta-feira (02) endereçada a outros líderes do Senado propondo uma maneira de eles se encontrarem no verão para avançar no projeto.


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.4%
5.2%
8.4%