MENU

27/07/2021 às 11h53min - Atualizada em 27/07/2021 às 11h53min

Os dados do StatCan mostram que as taxas de desemprego juvenil aumentaram durante a pandemia COVID-19

Desemprego entre os jovens é maior que entre outras faixas etárias

Redação North News
CTV News
THE CANADIAN PRESS/Sean Kilpatrick

HALIFAX - Novos dados do Statistics Canada mostram que, embora o desemprego juvenil tenha aumentado durante a pandemia de COVID-19, encontrar trabalho em tempo integral tem sido cada vez mais precário desde o final dos anos 1980.

 

A agência federal informou na segunda-feira (26) que tanto os trabalhadores do sexo masculino quanto feminino entre 15 e 30 anos tinham menos probabilidade de ter um emprego de tempo integral em 2019 em comparação com 1989, um período marcado por um aumento no emprego de meio período para a faixa etária.

 

E cerca de 40 anos depois, a pandemia causou ainda mais agitação, já que a porcentagem de jovens que não trabalham ou estão na escola aumentou quase quatro pontos percentuais de 2019 a 2020.

 

As taxas gerais de desemprego juvenil aumentaram cerca de seis pontos percentuais entre 2019 e 2020, observou a agência, o que é quase o dobro da taxa encontrada em outras faixas etárias.

 

Os jovens que deveriam ter entrado no mercado de trabalho em 2020 estão fazendo isso este ano e podem ter rendimentos mais baixos, projeta StatCan.

 

O efeito da pandemia foi particularmente notável sobre os jovens trabalhadores, disse Arif Jetha, cientista da Escola de Saúde Pública Dalla Lana da Universidade de Toronto, uma vez que os jovens tendem a ser os primeiros a sentir os choques da turbulência econômica.

 

“Seu mandato é mais curto, eles são mais novos nas organizações, eles também são mais propensos a trabalhar precariamente e em empregos que podem ser mais afetados por flutuações em nosso cenário econômico”, disse Jetha em uma entrevista.

 

Além de empregos, estágios e colocações de trabalho foram cancelados nos estágios iniciais da pandemia, ele acrescentou, ferramentas que os jovens costumam usar como blocos de partida para suas carreiras.

 

Os que não estavam matriculados no estudo em tempo integral viram suas taxas de emprego caírem cerca de oito pontos percentuais, enquanto as taxas de outras faixas etárias caíram apenas cerca de quatro pontos percentuais no mesmo período.

 

StatCan diz que as taxas de pagamento aumentaram para os funcionários mais jovens, mas esse fenômeno foi impulsionado em grande parte por uma redução nos empregos de baixa remuneração que antes eram ocupados por funcionários mais jovens.

 

E os jovens que estão entrando no mercado de trabalho à medida que a pandemia continua também podem ter dificuldades, acrescentou Jetha, chamando o ambiente de trabalho atual de "imprevisível" para os jovens.

 

Jehta também falou sobre uma "percepção equivocada" que tendia a haver acerca de trabalhadores da geração Y e da geração Z sobre o desejo de ter empregos mais flexíveis antes do início da pandemia. Ele discorda, no entanto.

 

"Acho que muitas pessoas desejavam estabilidade. Acho que o que muitos jovens estavam vendo cada vez mais era que esses tipos de empregos, empregos de alta qualidade... estão se tornando cada vez menos disponíveis", disse ele, o que foi agravado pela pandemia.

 

"Antes da pandemia, parecia haver uma diminuição na qualidade do trabalho que já víamos."


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.4%
4.8%
7.8%