MENU

06/08/2021 às 12h20min - Atualizada em 06/08/2021 às 12h20min

Canadá ganha ouro no futebol feminino nas Olimpíadas de Tóquio

O Canadá conquistou o bronze nos Jogos de Londres de 2012 e terminou em terceiro lugar novamente quatro anos depois, no Rio. Hoje o país norte-americano levou o ouro.

CTV News
https://www.ctvnews.ca/sports/canada-wins-women-s-soccer-gold-at-tokyo-olympics-1.5537041
Imagem de Adrian Wyld/ THE CANADIAN PRESS

A seleção canadense de futebol feminino conquistou o ouro olímpico de maneira dramática na sexta-feira, derrotando a Suécia por 3 a 2 nos pênaltis, depois que as equipes terminaram o regulamento e a prorrogação empataram em um.

 

Depois que cada equipe marcou em duas das cinco tentativas de cobrança de pênalti, a goleira canadense Stephanie Labbe impediu a tentativa de Jonna Andersson de preparar o terreno para Julia Grosso.

 

O goleiro sueco Hedvig Lindahl recebeu um chute do meio-campista canadense para o lado esquerdo, mas não conseguiu evitar que acertasse o gol.

 

Jogadores canadenses correram pelo campo para festejar Grosso e Labbe. Foi a primeira participação do Canadá na final do futebol feminino olímpico.

 

Stina Blackstenius marcou aos 34 minutos para a Suécia, mas a canadense Jessie Fleming empatou de pênalti aos 67 minutos.

 

Quando o jogo foi para pênaltis, Fleming deu ao Canadá uma vantagem antes de Nathalie Bjorn e Olivia Schough marcarem para a Suécia. Deanne Rose deu o quinto tiro de Canadá para empatar.

 

Os organizadores mudaram o horário de início da final deste ano para 21h. (hora local) desde o pontapé inicial original das 11h, depois que ambas as federações solicitaram uma mudança para evitar o pico de calor e umidade do meio-dia.

 

O local também foi transferido do Estádio Olímpico de Tóquio para o Estádio Internacional Yokohama, nos arredores da cidade-sede. Ainda estava quente e abafado na hora do jogo, mas mais suportável do que as condições sufocantes do início do dia.

 

Houve alguns grupos vocais de oficiais de equipe torcendo em seus respectivos lados no local quase vazio de 69.000 lugares. A chef de missão Marnie McBean segurou uma bandeira canadense com os braços estendidos durante a execução de O Canada.

 

Nenhuma equipe mudou sua escalação inicial após vitórias na semifinal por 1-0. A Suécia foi com uma formação 4-2-3-1, enquanto o Canadá usou um 4-3-3.

 

A Suécia atacou cedo e ganhou um escanteio no segundo minuto, mas Labbe cruzou para longe. A primeira chance do Canadá também veio de um escanteio momentos depois, mas um cabeceamento de Vanessa Gilles saiu bem ao lado.

 

O potente ataque sueco usou a criatividade e a velocidade para manter os canadenses em seus calcanhares. Sofia Jakobsson montou Magdalena Eriksson dentro da área aos 10 minutos, mas o seu remate saiu do lado oposto ao segundo poste.

 

Os canadenses muitas vezes tentaram construir o jogo usando suas habilidades de posse de bola na área do meio-campo antes de saltar para a frente pelas laterais. Nichelle Prince deu um ataque no meio do intervalo, mas seu acerto foi errado.

 

Labbe foi testado novamente aos 29 minutos, forçado a fazer uma sólida parada de mergulho com uma cabeçada de Jakobsson.

 

O canadense Quinn virou a bola no meio-campo pouco antes do gol sueco. Fridolina Rolfo tomou posse antes de mandar Kosovare Asllani para a lateral.

 

Ela mandou um baixo para Blackstenius para um one-timer, a bola desviando ligeiramente do lado de dentro da perna de Gilles e passando pelo mergulho Labbe.

 

Os canadenses do oitavo lugar estavam confiantes para entrar na final depois de derrotar os Estados Unidos por 1 a 0 na semifinal, em sua primeira vitória sobre os americanos em 20 anos.

 

A Suécia entrou na final com uma marca perfeita de 5-0-0, com Blackstenius marcando quatro dos 13 gols de sua equipe. O Canadá entrou com uma marca de 3-0-2 e cinco gols marcados.

 

O técnico canadense Bev Priestman fez duas substituições para iniciar o segundo tempo. Grosso entrou no lugar de Quinn no meio-campo e Adriana Leon substituiu a atacante Janine Beckie.

 

As mudanças pareceram animar os canadenses, que jogaram com mais urgência após um primeiro tempo mediano.

 

Priestman voltou para seu banco novamente aos 63 minutos, colocando Rose no lugar de Prince. O rápido atacante teve um impacto imediato, ajudando a definir o jogo que levou ao empate.

 

Com a bola entrando na área, a atacante canadense Christine Sinclair foi derrubada por Amanda Ilestedt. A capitã sentada ergueu os braços no ar com um olhar incrédulo ao não-call.

 

No entanto, o árbitro Anastasia Pustovoitova voltou-se para a revisão do VAR antes de apontar para a marca de pênalti. Como fez antes do gol de Fleming na semifinal, Sinclair pegou a bola e deu para o meio-campista.

 

O remate de Fleming desde o local foi ideal. Seu chute forte e rasteiro acertou o lado esquerdo da rede enquanto Lindahl mergulhava em direção ao poste oposto.

 

Sinclair, que lidera todos os jogadores com 187 gols internacionais, conquistou sua 304ª internacionalização pelo Canadá. Ela foi substituída no final do segundo tempo por Jordyn Huitema.

 

Asllani teve uma grande chance antes dos acréscimos, com Labbe saindo da posição, mas seu chute foi cancelado pela zagueira Kadeisha Buchanan. Fleming teve uma chance antes da prorrogação, mas seu chute apenas ultrapassou o travessão.

 

A suplente sueca Lina Hurtig cabeceou ao lado na segunda sessão de 15 minutos do prolongamento e Huitema fez o mesmo após um forte trabalho de Rose na lateral.

 

A Suécia quase puxou à frente depois de uma confusão nos minutos finais, mas a linha de defesa do Canadá se manteve firme.

 

O Canadá melhorou para 6-14-4 em confrontos diretos contra a Suécia. Blackstenius marcou na vitória da Suécia por 1 a 0 sobre o Canadá nas oitavas de final da Copa do Mundo Feminina 2019.

 

Os Estados Unidos conquistaram o bronze na quinta-feira, com uma vitória por 4 a 3 sobre a Austrália.




Coautoria: Viktória Matos
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.5%
4.8%
7.7%