MENU

10/08/2021 às 09h48min - Atualizada em 10/08/2021 às 09h48min

Tribunal chinês mantém pena de morte do prisioneiro canadense Robert Schellenberg

Atualmente dois canadenses estão presos no país sob acusações de espionagem

Redação North News
680 News
CCTV via AP, File

BEIJING - Um tribunal chinês rejeitou nesta terça-feira, 10,  uma apelação de Robert Schellenberg, um canadense cuja sentença em um caso de drogas foi aumentada para a morte depois que uma executiva da gigante de tecnologia Huawei foi detida em Vancouver.

 

Schellenberg foi condenado à prisão em novembro de 2018 após ser preso por tráfico de drogas. Ele foi abruptamente condenado à morte em janeiro de 2019, enquanto o governo chinês tentava pressionar o Canadá a libertar a diretora financeira da Huawei Technologies Ltd. Meng Wanzhou, que havia sido detida por acusações estadunidenses relacionadas a possíveis negociações com o Irã.

 

O Tribunal Popular Superior da província de Liaoning rejeitou o recurso de Schellenberg e disse em um comunicado que a sentença era apropriada e os procedimentos do tribunal inferior legais. O caso foi enviado ao supremo tribunal chinês para revisão, conforme exigido por lei, antes que qualquer sentença de morte possa ser executada.

 

O Ministro das Relações Exteriores do Canadá, Marc Garneau, emitiu um comunicado denunciando a decisão.

 

“Expressamos repetidamente à China nossa firme oposição a essa punição cruel e desumana e continuaremos a nos envolver com as autoridades chinesas nos mais altos escalões para conceder clemência ao Sr. Schellenberg”, escreve ele.

 

“Nós nos opomos à pena de morte em todos os casos e condenamos a natureza arbitrária da sentença do Sr. Schellenberg. A Global Affairs Canada continuará a fornecer serviços consulares ao Sr. Schellenberg e sua família.”

 

O governo chinês também prendeu um ex-diplomata canadense, Michael Kovrig, e um empresário canadense, Michael Spavor, sob acusações de espionagem não especificadas em uma aparente tentativa de pressionar Ottawa a libertar Meng.

 

Dois outros canadenses, Fan Wei e Xu Weihong, também foram condenados à morte por drogas em 2019, quando as relações entre Pequim e Ottawa se deterioraram.

 

Os Estados Unidos querem que a executiva da Huawei, Meng, filha do fundador da empresa, seja extraditada para enfrentar acusações de que mentiu a bancos em Hong Kong em relação a negociações com o Irã que podem violar sanções comerciais.

 

Um juiz canadense deve ouvir os argumentos finais sobre se Meng deve ser extraditado.

 

A China também reduziu as importações do Canadá.


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.5%
4.8%
7.7%