MENU

11/08/2021 às 10h16min - Atualizada em 11/08/2021 às 10h16min

Pastora de Ontário é demitida após se manifestar como pessoa trans

Junia Joplin está movendo um processo por demissão injusta contra a Igreja Batista Lorne Park

Redação North News
CTV News
Pastora Junia Joplin em foto postada em sua conta do Twitter

TORONTO - Uma pastora de Ontário que foi demitida de uma igreja batista após se declarar transgênero entrou com uma ação por demissão injusta, alegando que sua demissão foi motivada por discriminação.

 

A Reverenda Junia Joplin se apresentou como homem quando assumiu o cargo de pastor líder na Igreja Batista Lorne Park em 2014, e continuou a fazê-lo até que se apresentou como mulher à congregação em um sermão transmitido ao vivo em junho do ano passado.

 

Em uma declaração de reivindicação ainda não testada no tribunal, Joplin diz que recebeu o apoio de alguns membros da congregação e de outras igrejas e organizações batistas após seu anúncio.

 

No entanto, a reclamação alega que nos dias que se seguiram, a igreja de Mississauga, Ontário, a suspendeu unilateralmente de suas funções e não deu data para seu retorno.

 

O processo alega que Joplin foi então submetida a um "processo injusto" que viu congregantes questioná-la em uma série de espaços virtuais da prefeitura e, em julho de 2020, votar pelo fim de seu emprego.

 

A Igreja Batista de Lorne Park não respondeu imediatamente ao pedido de comentário. A igreja disse em um comunicado no ano passado que Joplin foi demitida por "razões teológicas".

 

Em uma entrevista esta semana, Joplin disse que sua demissão, e a forma como foi executada, a deixou com "uma espécie de ansiedade em torno do trabalho e da vida da igreja" que ela nunca havia sentido antes.

 

"Esses foram meus primeiros passos na transição social. É um lugar difícil de se estar, acho que qualquer pessoa trans dirá que pode ser assustadora, vulnerável. É uma época em que o apoio é tão essencial e, infelizmente, para muitos de nós, não o obtemos em lugares como nosso local de trabalho", disse ela.

 

"Mas para que isso aconteça dentro do contexto de uma comunidade solidária - acho que uma das coisas mais difíceis para mim foi saber que estou passando por uma das épocas mais difíceis e consequentes que já passarei na minha vida e estou praticamente isolada da minha comunidade de fé, do lugar que eu mais naturalmente iria para obter apoio."

 

Joplin disse que espera que o processo ajude a tornar o Canadá um lugar mais inclusivo e seguro para pessoas trans.

 

“Não quero que outras pessoas passem por isso, não quero que outras pessoas queer se conectem a comunidades de fé que não as recebem de forma inequívoca, sem advertência ou qualificação”, disse ela.

 

Durante seu mandato em Lorne Park, Joplin havia "buscado um ministério progressista e LGBTQIA+ inclusivo" com o apoio da igreja, alega o processo.

 

Da mesma forma, os batistas canadenses de Ontário e Quebec, aos quais a Igreja Batista de Lorne Park é afiliada, ordenaram mulheres por mais de 70 anos, diz o documento.

 

Em uma série de espaços virtuais da prefeitura com a congregação, Joplin foi solicitada a responder a perguntas "difíceis e (em muitos casos) profundamente pessoais" sobre sua transição, sua saída e o possível impacto dessas coisas na igreja e seus membros, a reivindicação alega.

 

Ela foi instruída de outra forma a não discutir esses assuntos com a congregação, diz.

 

Mais tarde, foi pedido aos membros da congregação que votassem se o emprego de Joplin, que anteriormente era por tempo indeterminado, deveria ser reduzido para um contrato de 18 meses ou totalmente eliminado, alega o processo.

 

Aqueles que votaram para demitir Joplin foram então solicitados a especificar se sua escolha foi baseada na crença religiosa, diz o documento.

 

58 dos 111 eleitores optaram por encerrar seu emprego e, desses, 50 disseram que foi "total ou parcialmente" devido a uma crença religiosa, diz o relatório.

 

O processo, que busca cerca de US $ 200.000 em danos, alega que a igreja violou o Código de Direitos Humanos, que proíbe a discriminação no emprego com base na identidade de gênero, expressão de gênero, sexo e outros motivos.

 

Afirma que, embora o código permita que as organizações religiosas dêem preferência às organizações de credo semelhante, essa isenção só se aplica quando o credo for uma qualificação profissional e não permite a discriminação com base na identidade ou expressão de género.

 

"O LPBC não realizou um exame minucioso e cuidadoso da natureza e dos deveres essenciais do pastor líder ou demonstrou uma crença honesta, de boa fé e sincera de que a Reverenda Joplin carecia de uma qualificação que fosse razoavelmente necessária em relação a esses deveres", afirma a alegação.

 

Se o tribunal considerar que a isenção se aplica, o processo argumenta que ela deve ser declarada inconstitucional porque "injustificadamente e sem razão limita o direito à igualdade" consagrado na Carta Canadense de Direitos e Liberdade.


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.4%
4.8%
7.8%