MENU

22/09/2021 às 10h51min - Atualizada em 22/09/2021 às 10h51min

Quebec considera uma lei especial para impedir que manifestantes antivacina bloqueiem o acesso a hospitais e escolas

Alguns manifestantes invadiram escolas e hospitais para protestar contra os passaportes de prova de vacina

Redação North News
CTV News
THE CANADIAN PRESS/Jacques Boissinot

O Premier do Quebec, François Legault, disse na terça-feira, 21, que é "inaceitável" que as pessoas tenham protestado contra o passaporte da vacina fora de hospitais e escolas recentemente, acrescentando que a província poderia recorrer à lei para pôr fim a essas manifestações.

 

Enquanto milhares de pessoas lotaram as ruas do centro de Montreal e outras cidades de Quebec para protestar contra a medida de saúde pública, apenas uma fração dessas multidões apareceu em hospitais e escolas nas últimas semanas.

 

Cerca de uma dúzia de manifestantes apareceram no hospital Glen na Decarie Boulevard em 13 de setembro, muito longe dos milhares que marcharam pelo centro da ilha no início do mês.

 

Ainda assim, com os manifestantes também aparecendo nas escolas e supostamente assediando estudantes, o Premier disse que está considerando uma medida extra para manter os profissionais de saúde e jovens seguros.

 

Seria uma lei para criar uma zona segura ao redor dos prédios, semelhante à introduzida por Quebec em 2016 para evitar manifestações a 50 metros de clínicas de aborto.

 

“Não estamos descartando nada”, disse Legault na terça-feira em uma coletiva de imprensa na Assembleia Nacional.

 

“Na verdade, essa pode ser uma lei especial que estamos examinando, se tivermos o direito, se pudermos fazer isso.”

 

O Primeiro-Ministro Justin Trudeau também havia prometido durante a campanha eleitoral que iria apresentar uma legislação que tornaria ilegal para os manifestantes bloquearem o acesso aos hospitais depois que vários protestos ocorreram em todo o país.

 

Mas especialistas disseram que essas leis já existem no Código Penal e que a polícia, em alguns casos, simplesmente não as está aplicando.

 

“É inaceitável ter manifestantes antivacinas em frente às nossas escolas, em frente aos nossos hospitais”, disse Legault na terça-feira. "Eu não posso tolerar isso."

 

Após seus comentários, o Ministro da Educação Jean-François Roberge, que já havia dito que estava "indignado" com os manifestantes que compareceram na escola de ensino médio Louis-Riel, tuitou na terça-feira "Vamos deixar os alunos fora desses protestos!"

 

Já neste ano letivo, houve cinco manifestações antivacinas perto de escolas em Montreal, de acordo com a crítica educacional liberal Marwah Rizqy, que disse ter visto crianças sendo assediadas verbalmente e filmadas por manifestantes.

 

Na terça-feira, na Assembleia Nacional, ela sugeriu que uma solução de curto prazo seria buscar uma liminar sempre que um protesto for anunciado nas redes sociais.

 

"Não podemos mais apenas tweetar nossa indignação, temos que agir", disse ela. "Temos que proteger as crianças antes que saia do controle."

 

Mais protestos estão sendo planejados em Montreal e em outros lugares, com eventos no Facebook descrevendo-os como manifestações contra "governos ditatoriais" e seu "passaporte nazista".


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.2%
5.2%
7.6%