MENU

18/10/2021 às 11h59min - Atualizada em 18/10/2021 às 11h59min

Dois médicos impedidos de emitir isenções médicas para vacinas contra o COVID-19 em Ontário

O Dr. Mark Trozzi e a Dra. Rochagne Kilian expressaram publicamente não confiar nas vacinas contra o vírus

Redação North News
CP24
THE CANADIAN PRESS/AP, Molly Riley

O órgão regulador da profissão médica de Ontário proibiu dois médicos de emitir qualquer isenção médica relacionada às vacinações contra o COVID-19.

 

O College of Physicians and Surgeons of Ontario anunciou as restrições contra o Dr. Mark Trozzi, de Harrow, e a Dra. Rochagne Kilian, de Owen Sound, na manhã desta segunda-feira, 18.

 

Tanto Trozzi quanto Kilian falaram abertamente sobre as restrições do COVID-19 no passado, enquanto expressavam ceticismo sobre as vacinas do COVID-19.

 

Kilian, em particular, já foi palestrante em vários comícios organizados pelo grupo “Grey-Bruce Freedom Fighters” e no mês passado renunciou ao cargo de médica de emergência em protesto contra o tratamento da pandemia pelos Serviços de Saúde Gray Bruce.

 

De acordo com a ordem provisória anunciada hoje, mas emitida na semana passada, os médicos foram impedidos de fornecer isenções médicas em relação às vacinas contra o COVID-19, requisitos de máscara obrigatórios para COVID-19 e testes para COVID-19.

 

Os médicos também serão obrigados a publicar informações sobre as restrições em seus escritórios.

 

O College of Physicians and Surgeons of Ontario disse que está emitindo as medidas provisórias sob os poderes que lhe foram conferidos em 2018, o que lhe permite "suspender ou impor termos, condições ou limitações ao certificado de registro de um membro quando o colégio acredita que a conduta expõe ou pode expor pacientes a prejuízos ou ferimento.

 

Nenhum dos médicos foi encaminhado ao tribunal com alegações relacionadas às restrições neste momento.

 

O Diretor Médico de Saúde, Dr. Kieran Moore, disse anteriormente que as vacinas contra o COVID-19 são seguras e altamente eficazes e que as isenções médicas só deveriam ser concedidas a uma taxa de cerca de cinco pessoas por 100.000.

 

Ele disse que as únicas duas isenções médicas legítimas são uma alergia a um dos componentes da vacina ou um risco aumentado de miocardite.


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.6%
5.1%
7.3%