MENU

18/01/2022 às 09h01min - Atualizada em 18/01/2022 às 09h01min

Assassino em massa norueguês faz saudações nazistas antes de audiência de liberdade condicional

Ele não mostrou nenhum remorso e especialistas dizem que a audiência provavelmente não lhe dará uma libertação antecipada. Ele está sendo realizado no ginásio da prisão de Skien - 100 quilômetros (60 milhas) a sudoeste de Oslo - onde Breivik está detido. Ele sempre foi isolado de outros presos.

Co - autora: Isabela Peixer
CTV News
Anders Behring Breivik, o extremista de direita que matou 77 pessoas em massacres com bombas e armas no pior massacre da Noruega em tempos de paz em 2011, compareceu na terça-feira a um tribunal para uma audiência de liberdade condicional.

O Tribunal Distrital de Telemark deve decidir se Breivik ainda é tão perigoso que a sociedade precisa de proteção extra contra ele e mantê-lo atrás das grades. O assassino em massa norueguês foi condenado a 21 anos de prisão pelos atos terroristas na ilha de Utoya e em Oslo. 

De acordo com a lei norueguesa, Breivik, 42, é elegível para pedir liberdade condicional depois de cumprir os primeiros 10 anos de seu mandato.

Breivik, com barba e um terno, entrou na sala do tribunal com uma mensagem de supremacia branca presa ao blazer. Ele também levantou uma placa com a mesma mensagem.

Ele fez saudações nazistas ao entrar no tribunal e se apresentou como líder de um movimento neonazista norueguês, sugerindo que usaria a audiência de liberdade condicional como uma oportunidade para manifestar suas visões de supremacia branca, em vez de fazer uma tentativa séria de libertação antecipada.

A promotora Hulda Karlsdottir iniciou a audiência dizendo que as condições de prisão de Breivik, que legalmente mudou seu nome para Fjotolf Hansen em 2017, não terão influência na questão da liberdade condicional.

Eles são "completamente subordinados. O tópico principal aqui é o perigo associado à libertação", disse ela ao tribunal.

As famílias das vítimas e dos sobreviventes temiam que Brevik pudesse inspirar ideologias afins e defender suas visões extremas durante a audiência, que especialistas dizem ser improvável que o liberte antecipadamente.

"A única coisa que temo é que ele tenha a oportunidade de falar livremente e transmitir suas visões extremas para pessoas que têm a mesma mentalidade", disse Lisbeth Kristine Royneland, que lidera um grupo de apoio à família e sobreviventes, antes da audiência.

Ela apontou para o caso do atirador norueguês Philip Manshaus que, inspirado pelos ataques terroristas de 2019 na Nova Zelândia, assassinou sua meia-irmã e tentou invadir uma mesquita.

Era 22 de julho de 2011, quando, após meses de preparativos meticulosos, Breivik detonou um carro-bomba do lado de fora da sede do governo em Oslo, matando oito pessoas e ferindo dezenas. Ele então dirigiu para a ilha de Utoya, onde abriu fogo contra o acampamento anual de verão da ala jovem do Partido Trabalhista de esquerda. Sessenta e nove pessoas foram mortas, a maioria adolescentes, antes de Breivik se entregar à polícia.

O tribunal que o condenou em 2012 o considerou criminalmente são, rejeitando a visão da promotoria de que ele era psicótico. Breivik não recorreu da sentença.

Durante seu julgamento em 2012, ele entrou no tribunal diariamente fazendo uma saudação de punho fechado e dizendo aos pais em luto que desejava ter matado mais. Ele tem tentado iniciar um partido fascista na prisão e enviou cartas a extremistas de direita na Europa e nos Estados Unidos. Autoridades prisionais apreenderam muitas dessas cartas, temendo que Breivik inspirasse outros a cometer ataques violentos.

Ele não mostrou nenhum remorso e especialistas dizem que a audiência provavelmente não lhe dará uma libertação antecipada. Ele está sendo realizado no ginásio da prisão de Skien - 100 quilômetros (60 milhas) a sudoeste de Oslo - onde Breivik está detido. Ele sempre foi isolado de outros presos.

O tribunal deve se reunir até quinta-feira e uma decisão é esperada ainda este mês.

Antes da audiência, Randi Rosenqvist, a psiquiatra que acompanha Breivik desde sua prisão em 2012, disse que "não conseguiu detectar grandes mudanças no funcionamento de Breivik", desde seu julgamento criminal, quando ele se gabou da escala de seu massacre.

"Em princípio e na prática, quem busca liberdade condicional teria que mostrar remorso e mostrar que entende por que tais atos não podem ser repetidos", disse ela.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%