MENU

09/02/2022 às 08h19min - Atualizada em 09/02/2022 às 08h19min

Uso de insultos raciais por Joe Rogan aumenta a pressão no Spotify

O Spotify deve decidir onde está sobre relações raciais e desinformação sobre vacinas em uma sociedade com maior sensibilidade em ambas questões. Depois, há a decisão de negócios sobre o que fazer com o podcast de US$ 100 milhões de Rogan, que ameaça os resultados, mas também é uma parte fundamental da estratégia da empresa de ser um balcão único para áudio.

Co - autora: Isabela Peixer
CP 24h
Foto AP/Gregory Payan, Arquivo
A boca de Joe Rogan colocou o Spotify em uma situação difícil. Comentários sobre vacinas anti-coronavírus e insultos raciais em alguns episódios de seu popular podcast estão forçando o serviço de streaming a ponderar escolhas difíceis.

O Spotify deve decidir onde está sobre relações raciais e desinformação sobre vacinas em uma sociedade com maior sensibilidade em ambas questões. Depois, há a decisão de negócios sobre o que fazer com o podcast de US$ 100 milhões de Rogan, que ameaça os resultados, mas também é uma parte fundamental da estratégia da empresa de ser um balcão único para áudio.

Nem o serviço de streaming nem Rogan estavam falando no domingo. Mas especialistas dizem que a equipe de gerenciamento do Spotify precisa decidir se vai cortar os laços com Rogan, pois há o risco de mais músicos arrancarem seu trabalho em protesto. Ou existe algum meio-termo que possa ser aceitável para artistas e assinantes?

Qualquer que seja a decisão que venha a surgir, não vai agradar a um lado ou ao outro em um país cada vez mais polarizado.

Quanto à raça, a escolha é entre manter Rogan e enviar uma mensagem de que a sociedade se tornou muito "acordada" ou mostrar que o Spotify está mais sintonizado com uma sociedade multirracial, disse Adia Harvey Wingfield, professora de sociologia da Universidade de Washington em St. Louis.

“Se o Spotify disser 'não podemos abandoná-lo. Ele tem o direito de dizer o que quiser', isso continua na linha onde há esse apoio implícito para dizer coisas racistas nessas plataformas”, disse ela.

O site de streaming também precisa decidir se palavras ofensivas são permitidas em outros lugares de seu aplicativo, onde músicas com mensagens racistas, homofóbicas e anti-imigrantes estão disponíveis, disse John Wihbey, professor da Northeastern University e especialista em tecnologias emergentes.

“Há algum auto-exame real para fazer além de Joe”, disse Wihbey. “Este é um grande momento de acerto de contas para plataformas de entretenimento e streaming para ver onde está a janela, o que está além da linha”.

A questão final deve ser bem simples para o Spotify, disse Erik Gordon, professor de direito e negócios da Universidade de Michigan. O conservador Rogan contrasta com os músicos muito mais liberais que geram a maior parte dos lucros do Spotify, disse ele.

“Eles não podem dispensar os artistas. Os artistas fazem o Spotify”, disse Gordon. “Eles precisam se acertar com Rogan, deixá-lo ir para uma casa que seja consistente com quem ele é. E todo mundo vai ficar melhor.”

Ter Rogan no Spotify é como ter um partido político com Donald Trump como candidato presidencial e a liberal Elizabeth Warren como vice-presidente. “Não vai funcionar”, disse Gordon.

O Spotify relata ter 406 milhões de usuários mensais ativos, um aumento de quase 20% em relação ao ano passado, e a publicidade cresceu em grande parte por causa do podcasting. A empresa teve 31% das 524 milhões de assinaturas de streaming de música em todo o mundo no segundo trimestre de 2021, mais que o dobro da segunda colocada Apple Music, segundo a Midia Research.

Os problemas públicos de Rogan começaram em 24 de janeiro, quando o músico Neil Young pediu para que sua música fosse removida devido a preocupações de que Rogan estivesse promovendo ceticismo sobre as vacinas COVID-19. Outros artistas seguiram o exemplo, incluindo Joni Mitchell e Roxane Gay.

O escrutínio só se intensificou quando uma compilação de vídeo surgiu na semana passada mostrando Rogan repetidamente usando insultos raciais. A artista vencedora do Grammy India.Arie postou em seu Instagram, usando a hashtag #DeleteSpotify.

A empresa ainda não abordou publicamente os insultos, mas o Spotify removeu recentemente dezenas de episódios do podcast.

O Spotify, que supostamente pagou mais de US$ 100 milhões para licenciar o podcast de Rogan, disse anteriormente que em breve adicionaria um aviso a todos os podcasts que discutem o COVID-19, direcionando os ouvintes a informações factuais e atualizadas de cientistas e especialistas em saúde pública.

“Eles pegam esse dinheiro que é construído a partir do streaming e pagam a esse cara US $ 100 milhões, mas nos pagam 0,003% de um centavo”, escreveu Arie. “Não quero gerar dinheiro que pague isso.”

Rogan se desculpou no sábado, dizendo que os insultos foram a “coisa mais lamentável e vergonhosa” que ele já teve que abordar e que ele não usa a palavra com N há anos.

O CEO e cofundador do Spotify, Daniel Ek, disse na semana passada, antes que os insultos raciais ressurgissem, que “é importante para mim que não assumamos a posição de censor de conteúdo”.

Ek disse ao The Wall Street Journal na semana passada que assumiu a responsabilidade por ser “muito lento para responder” às críticas sobre desinformação sobre vacinas. A empresa levou cinco dias para responder publicamente a Young.

“Ficou claro para mim que temos a obrigação de fazer mais para fornecer equilíbrio e acesso a informações amplamente aceitas das comunidades médicas e científicas que nos orientam neste momento sem precedentes”, continuou Ek em comunicado.

Rogan é uma estranha mistura de choque e apresentador que lidera discussões sobre políticas públicas, artes e cultura, disse Wihbey, descrevendo sua marca como conservadora “mano América”.

Seus comentários foram claramente racistas, disse Wihbey, mas ele espera que Rogan veja isso como uma chance de discutir substancialmente questões de raça e vacina em episódios futuros. Seu público pode não ouvir as discussões de outra forma, disse Wihbey.

“Eu acho que reunir esse tipo de público é importante”, disse ele. “Ele pode dizer coisas que eu acho que podem mover a agulha.”

Wingfield tem dúvidas de que o Spotify possa manter Rogan, mas ela disse que a controvérsia pode ser positiva se começar uma mudança para discussões de estereótipos raciais.

“Acho que se Joe Rogan aprender com essa experiência e se tornar uma voz condutora dessa conversa, isso pode ser muito valioso”, disse ela. “Mas quero enfatizar novamente que esse é um grande se, e não sei se chegará a isso.”

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%