MENU

17/02/2022 às 12h34min - Atualizada em 17/02/2022 às 12h34min

Conservadores não apoiam Lei de Emergências, MPs debatem moção na quinta-feira

Os poderes de emergência permanecerão em vigor se a moção for adotada, o que é esperado, já que o NDP sinalizou que apoiará os liberais.

- North News
CTV News
Foto: Adrian Wyld
A líder conservadora interina Candice Bergen diz que o partido não apoiará uma moção apresentada pelo governo federal que lhes daria poderes para fazer cumprir a Lei de Emergências.

Saindo de uma reunião do caucus conservador, Bergen disse que o primeiro-ministro Justin Trudeau não tentou retificar completamente os protestos e bloqueios em Ottawa e em outros lugares com os poderes existentes que ele tinha.

“O primeiro ato que ele faz quando tem a chance de fazer alguma coisa – ele não passa pelas etapas um, dois, três – ele vai direto para 100 e invoca a Lei de Emergências”, disse ela.

“Acho que nada do que veremos mudará nossa mente, estaremos nos opondo a isso.”

Bergen observou que a invocação da lei ocorre ao mesmo tempo em que muitos dos bloqueios estão sendo levantados por meio da aplicação da lei local.

“Isso realmente levanta a questão, por que ele tomaria essa ação drástica?”

O ministro da Segurança Pública, Marco Mendicino, apresentou a moção na Câmara dos Comuns na noite de quarta-feira, bem como a proclamação de emergência de ordem pública.

Em um tweet posterior, o líder da Câmara do Governo, Mark Holland, disse que espera um debate “cheio” e, após discussões com outros partidos, está preparado para considerar “idéias construtivas” sobre como ajustar a agenda da Câmara para que muitos deputados possam participar.

“Estou ansioso por este debate histórico. É essencial que este assunto seja tratado com urgência e que seja realizada uma votação antes do final da próxima semana eleitoral para os deputados”, disse ele.

Como parte dos requisitos de supervisão parlamentar ao invocar poderes sob a Lei de Emergências, o governo deve apresentar uma moção na Câmara e no Senado dentro de sete dias, descrevendo por que as autoridades federais acham que os poderes são necessários e detalhando quais medidas específicas serão tomadas, para permita que os dois órgãos parlamentares o confirmem.

Agora que a moção foi apresentada, o debate começará na quinta-feira e continuará, de acordo com a Lei, “sem interrupção” até que a votação esteja pronta para ser convocada – essencialmente quando a lista de oradores estiver esgotada ou se o governo impor o encerramento o debate.

Os poderes de emergência permanecerão em vigor se a moção for adotada, o que é esperado, já que o NDP sinalizou que apoiará os liberais.

“Estamos relutantes em tomar essa decisão de apoiar, ouviremos com muita atenção o debate antes de votarmos, mas indicamos que apoiamos dar um passo sério para responder a esta crise”, disse Jagmeet, líder do NDP. Singh na quarta-feira.

No entanto, a passagem pela Câmara Alta ainda está para ser vista. O Senado foi convocado para analisar o assunto na manhã desta sexta-feira.

Na noite de terça-feira, o governo emitiu os regulamentos descrevendo com mais detalhes quais poderes estão sendo promulgados através do ato.

Entre eles estão a proteção de clínicas de vacinas, a proibição de crianças de protestos e bloqueios, a proteção de memoriais de guerra e a direção de serviços essenciais.

O ministro da Justiça, David Lametti, disse que esses regulamentos serão apresentados na Câmara dos Comuns até o final de quinta-feira.

“Olhando para o futuro, tanto a Câmara dos Comuns quanto o Senado terão em breve a oportunidade de debater e votar a declaração de emergência... O Parlamento pode alterar ou revogar quaisquer ordens que tenhamos feito. Esta é uma importante verificação e equilíbrio democrático no ato”, disse ele falando a repórteres na quarta-feira.

Lametti procurou confortar os canadenses que estão preocupados que a medida infrinja direitos e liberdades pessoais.

“Isso está nos permitindo usar medidas direcionadas e proporcionais para ajudar a acabar com os bloqueios e ocupações ilegais. E, criticamente, todas as nossas ações sob a Lei de Emergências cumprirão a Carta de Direitos e Liberdades. Essa exigência está embutida na própria legislação”, disse.

Apesar da garantia do alcance do ato, os parlamentares conservadores estão chamando a medida de “tomada de poder”.

“Não há emergência nacional, não há ameaça à segurança do Canadá, os protestos na fronteira foram pacificamente derrubados e acho que é um exagero”, disse a deputada conservadora Marilyn Gladu.

“[O primeiro-ministro] não agiu com seus poderes existentes. Então, para ele conseguir ainda mais poderes, e poderes de longo alcance, é muito preocupante.”

Com arquivos de Rachel Aiello, da CTV News.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%