MENU

26/01/2021 às 16h26min - Atualizada em 26/01/2021 às 16h26min

Toronto está em primeiro lugar na lista de cidades mais afetadas por percevejos

A pesquisa foi feita pela Orkin Canada

Beatriz Kina
Uma pesquisa feita pela Orkin Canada apontou Toronto como a cidade canadense mais afetada por percevejos

O estudo foi feito entre os dias 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2020 e inclui propriedades comerciais e residenciais que receberam tratamento contra o inseto. 

A pesquisa aponta as 25 cidades mais afetadas pelos percevejos. Caso você não conheça, os percevejos ou bed bugs, são insetos que se alimentam de sangue humano, geralmente durante a noite. Os efeitos de uma picada podem ser prejudiciais à saúde. 

Confira as 10 cidades apontadas pela pesquisa:

1. Toronto
2. Sudbury
3. Oshawa
4. Vancouver
5. Winnipeg
6. St. John’s
7. Scarborough
8. Whitby
9. Edmonton
10. Ottawa



O site ainda dá dicas para quem quer evitar o contato com inseto: 
 
Não coloque suas roupas ou bagagem diretamente sobre a cama. Se os percevejos estiverem presentes na cama, eles podem subir em sacos, malas ou qualquer roupa deixada na cama.
 
Use sempre porta-bagagens de metal. Os percevejos não conseguem escalar facilmente as superfícies de metal, por isso são um local ideal para passar a noite na sua mala. Mantenha o rack longe das paredes e de qualquer móvel de madeira.
 
Use pequenos sacos plásticos para embalar roupas, sapatos e outros itens pessoais. Isso ajudará a evitar que percevejos que entrem em sua mala entrem em sua casa junto com suas roupas. Percevejos também podem se esconder em livros, kits de toalete de pano e outros itens pessoais não metálicos.
 
Os hotéis não são as únicas ameaças de percevejos. Percevejos crescem em lugares escuros e frescos, com acesso de longo prazo aos humanos. Eles também podem ser encontrados em assentos de aviões e trens, ônibus ou carros de aluguel. É raro, mas é possível pegar percevejos em lugares como este.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.4%
4.8%
7.8%