MENU

27/01/2021 às 16h30min - Atualizada em 27/01/2021 às 16h30min

Hospitais portugueses não estavam preparados para o excesso de doentes, denuncia sindicato

Nessa quarta-feira, Portugal registou 293 mortes por Covid-19, um novo máximo diário desde o início da pandemia

Redação North News com informações da Agência Lusa
Foto: Miguel A. Lopes/Lusa
 
O Sindicato dos Médicos da Zona Sul considerou, nessa quarta-feira, que os hospitais da Grande Lisboa não estavam preparados para responder ao elevado número de doentes infectados por Covid-19.

De acordo com a dirigente sindical Tânia Russo, deveria ter sido feito um planeamento no verão passado, a falta do qual tem existido uma “elevada sobrecarga” nos hospitais, que tem feito com que haja dificuldades na resposta dos profissionais de saúde no combate à pandemia.

 
“Isto carecia de um melhor planeamento. Os hospitais deveriam ter sido reforçados e a resposta deveria ter sido reforçada. […] Esse planeamento não foi feito e está a refletir-se agora no que estamos a ver”, apontou.

RECORDE DE MORTES
Nessa quarta-feira, Portugal registou 293 mortes por Covid-19, um novo máximo diário desde o início da pandemia, além de 15.073 novas infecções com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

EFETIVO
A dirigente sindical afirmou ainda que deveria ter havido um reforço efetivo de profissionais de saúde. “A falta de profissionais de saúde qualificados é - digamos assim - o principal passo limitante nesta resposta à pandemia”, disse, salientando que as “camas, por si só, não asseguram cuidados para os doentes”.

Sobre o problema na rede de oxigénio do Hospital Amadora-Sintra, que obrigou a transferir mais de quatro dezenas de doentes para outras unidades, na terça-feira, Tânia Russo reiterou que “os hospitais não estão construídos para este nível de sobrecarga a que estão sujeitos”.

FINAL DA LINHA
Também nessa quarta-feira, a Ordem dos Médicos de Portugal afirmou que os hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo estão a chegar ao “final da linha”, uma vez que já não conseguem ampliar o número de internamentos nos cuidados intensivos.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, Alexandre Valentim Lourenço, explicou que os hospitais estão a trabalhar para além do planeamento de contingência feito no início da pandemia.

 
“Estamos a chegar ao final da linha, porque os hospitais que tinham no seu plano inicial de contingência 100/120 camas para covid estão a chegar às 200/300, o que significa que já ultrapassaram aquilo que era o seu plano inicial de contingência feita há uns meses”, salientou, acrescentando que os hospitais passaram a dedicar-se em cerca de 60% à covid-19.

O QUE DIZ O GOVERNO DE PORTUGAL?
O secretário de Estado Adjunto e da Saúde afirmou hoje que o Governo está atento às diferentes taxas de esforço dos hospitais da Área Metropolitana de Lisboa, por forma a haver um maior equilíbrio.

"Estamos atentos às taxas de esforço de forma a equilibrarmos essas taxas de esforço, para que não haja hospitais com 50%, 60% ou 70% e outros com 25% e 30%", disse António Lacerda Sales, que falava aos jornalistas após uma visita a uma estrutura de retaguarda de combate à covid-19, instalada no Hospital Militar de Coimbra.

O secretário de Estado respondia a questões dos jornalistas sobre um documento conjunto das administrações de sete hospitais da Área Metropolitana de Lisboa, que criticaram a distribuição de doentes entre os hospitais da região, referindo que as unidades periféricas têm uma maior taxa de esforço do que as centrais.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.3%
4.2%
8.5%