MENU

29/04/2022 às 14h02min - Atualizada em 29/04/2022 às 14h02min

Adolescente diz que sua mãe será torturada em campos de concentração

Mãe de adolescente era paramédica e lutava para salvar vidas em atentado de teatro

Leandro Mendonça
Twitter/@thetelegraph


A Rússia sequestrou paramédicos que corriam para salvar sobreviventes do atentado ao teatro de Mariupol, revelou a filha de uma voluntária desaparecida.

Yulia Paevska foi sequestrada por tropas russas enquanto viajava para o local do bombardeio, onde cerca de 1.300 mulheres e crianças estavam abrigadas na cidade sitiada.

Anna-Sophia Puzanova disse que sua mãe havia parado para tratar um civil ferido, em 16 de março, tentando escapar do bombardeio russo por um corredor humanitário, quando foi capturada.

“Ela foi capturada com seu motorista Serhiy, também voluntário, dirigindo uma ambulância em um corredor humanitário”, disse a jovem de 19 anos, durante uma visita a Bruxelas.

Além de aparições em vídeos de propaganda do Kremlin, Puzanova não viu ou ouviu falar de sua mãe desde o sequestro, sem saber onde ela está detida ou se está segura.


Eles conversaram pela última vez dias antes de seu sequestro, quando Paevska contou à filha sobre seu trabalho de resgate de civis enquanto tentavam escapar do constante bombardeio das Forças Armadas Russas.

"Sei que os ocupantes russos vão torturá-los", disse Puzanova, lutando para encontrar palavras e descrever suas preocupações.

“A propaganda russa fala dela como uma mulher perigosa, uma assassina, muito violenta, mas isso não é verdade”, acrescentou.


'Ela estava lutando pelo meu futuro e pela Ucrânia'

 
Puzanova acredita que sua mãe está entre os milhares de ucranianos levados para campos de concentração em regiões separatistas pró-Rússia do país.

Paevska, cujo apelido é Taira, está em uma lista de prisioneiros de guerra que o governo ucraniano está disposto a trocar por russos capturados, mas Moscou recusou repetidamente os pedidos de troca.

Como fundadora do ‘corpo de ambulâncias voluntárias’, Taira's Angels  é considerada um prêmio para o Kremlin.

Desde a sua formação em 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia, a organização foi creditada por salvar mais de 5.000 vidas e treinar mais de 1.000 médicos voluntários.

Por seu trabalho, Paevska foi nomeada Heroína na Ucrânia, o mais alto título nacional concedido a um civil.

“Ela não estava apenas salvando a vida de nossos soldados e nossos civis”, disse Puzanova.

“Ela também estava lutando pelo meu futuro e pela Ucrânia.”

A jovem de 19 anos assumiu como missão não apenas lutar pela libertação de sua mãe, mas também pela libertação de 500 mulheres ucranianas capturadas pelas tropas russas.

“Este é o meu trabalho agora, este é o meu dever”, disse ela. “Não se trata apenas da minha mãe, mas das mulheres, crianças e civis detidos ilegalmente pela Rússia.”

“Como ucraniana, não posso nem dizer como me sinto, porque depois de dois meses de guerra, você não sente mais nada”, disse ela.

“Vou ficar emocionada depois que a guerra acabar.”

Mas há esperança, ela acredita. “Só quero dar um abraço nela e perguntar como ela está”, acrescentou, insistindo que há esperança para o retorno de sua mãe.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%