MENU

17/02/2021 às 09h14min - Atualizada em 17/02/2021 às 09h14min

Prisão ilegal e com "teor político", afirma defesa de deputado preso em flagrante após vídeo

Daniel Silveira (PSL-RJ) já é alvo de inquérito que apura o financiamento de atos antidemocráticos

Redação North News
com informações da CNN
Foto: Aline Massuca/Metrópoles
 
O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) foi preso em flagrante pela Polícia Federal na noite dessa terça (16) por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Silveira já é alvo do inquérito que apura o financiamento de atos antidemocráticos e publicou um vídeo com ofensas, ameaças e pedido de fechamento do Supremo.

“O autor das condutas é reiterante na prática criminosa, pois está sendo investigado em inquérito policial nesta CORTE, a pedido da PGR, por ter se associado com o intuito de modificar o regime vigente e o Estado de Direito, através de estruturas e financiamentos destinados à mobilização e incitação da população à subversão da ordem política e social, bem como criando animosidades entre as Forças Armadas e as instituições”, diz a decisão. 

“As condutas criminosas do parlamentar configuram flagrante delito, pois na verifica-se, de maneira clara e evidente, a perpetuação dos delitos acima mencionados, uma vez que o referido vídeo permanece acessível a todos os usuários da rede mundial de computadores, sendo que até o momento, apenas em um canal que fora disponibilizado, o vídeo já conta com mais de 55 mil acessos.”

Silveira tuitou a própria prisão.
 

Prisão ilegal e com teor político?
A advogada Thainara Prado, que representa o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), disse à imprensa que a prisão do seu cliente é ilegal. Em nota, a assessoria jurídica do parlamentar informou que “aguardará a decisão da Câmara dos Deputados quanto à manutenção ou não de sua prisão” e afirmou que a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), tem teor político.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.5%
4.2%
8.3%