MENU

12/06/2021 às 11h38min - Atualizada em 12/06/2021 às 11h38min

Trudeau discutirá política externa com líderes do G7 em reunião locada na Inglaterra

Objetivo é discutir como lidar com a China e seus possíveis abusos aos direitos humanos

Redação North News
The Canadian Press
ALBERTO PEZZALI /POOL/AFP via Getty Images

CARBIS BAY, CORNWALL, ENGLAND - A política externa está na pauta de um encontro entre líderes internacionais reunidos em uma vila litorânea na Inglaterra para traçar estratégias sobre a melhor forma de enfrentar alguns de seus desafios mais urgentes, incluindo a China.

 

Os líderes da cúpula do G7, organizada pelo primeiro-ministro britânico Boris Johnson, devem discutir assuntos internacionais quando se reunirem no sábado (12) para uma sessão a portas fechadas.

 

Como lidar com a China e sua postura mais agressiva é um dos desafios enfrentados por esses países, entre eles o Canadá, que possui fortes laços econômicos com o Estado.

 

O Primeiro-Ministro Justin Trudeau enfrentou um apelo dos conservadores da oposição antes da cúpula para que pressionasse seus pares democráticos a tomar uma posição coletiva contra a China e pressionar pela relocação dos Jogos Olímpicos de Pequim em 2022.

 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve fazer tal movimento, pedindo aos líderes do G7 que apelem à China por seu uso de práticas de trabalho forçado contra minorias étnicas, incluindo muçulmanos uigures.

 

Dois altos funcionários do governo, falando sob condição de anonimato, discutiram o plano com repórteres, dizendo que o presidente quer ver a denúncia registrada em um comunicado assinado entre todos os países quando a cúpula for concluída no domingo.

 

Não está claro o que exatamente Trudeau terá a dizer a seus aliados sobre a China.

 

Membros de seu próprio Partido Liberal e parlamentares da oposição votaram em fevereiro a favor de uma moção conservadora que rotulou o tratamento da China aos uigures muçulmanos em sua província de Xinjiang como um genocídio.

 

Trudeau e a maior parte de seu gabinete se abstiveram de votar.

 

Quase sem chamar de genocídio, o Primeiro-Ministro caracterizou o tratamento dado pela China aos uigures e outras minorias étnicas como sendo "abusos sistemáticos dos direitos humanos".

 

O Canadá também se juntou ao Reino Unido, aos EUA e à União Europeia na imposição de sanções às autoridades chinesas por essas ações, as quais, segundo ele, foram apoiadas por "evidências crescentes".

 

A relação do Canadá com a China tem estado sob um microscópio desde que deteve Michael Kovrig e Michael Spavor, dois cidadãos canadenses, após a prisão em 2018 de um executivo da Huawei Technologies para extradição para os Estados Unidos sob acusação de fraude.

 

Trudeau disse que as autoridades estão trabalhando duro para levar os dois homens para casa e vê sua detenção como uma tática de pressão retaliatória do Estado em relação à prisão de Meng Wanzhou.

 

O Primeiro-Ministro do Canadá começou o segundo dia de sua cúpula batendo cotovelos e sorrindo para as câmeras com o presidente francês Emmanuel Macron antes da reunião bilateral dos dois.

 

Uma leitura do escritório de Trudeau disse que eles concordaram em colaborar em uma lista de iniciativas, desde o desenvolvimento de intercâmbios culturais e fazer novos compromissos para a promoção da igualdade de gênero, particularmente na recuperação econômica do Covid-19.

 

Ele também deve se reunir no sábado com o Primeiro-Ministro italiano, Mario Draghi, e a Chanceler alemã, Angela Merkel.

 

Ao lado de Merkel, que não planeja buscar a reeleição após o término de seu mandato atual, Trudeau é o segundo líder mais antigo entre seus colegas do G7.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.2%
5.2%
7.6%