MENU

15/06/2021 às 15h03min - Atualizada em 15/06/2021 às 15h03min

Ontário jura investigar outras escolas residenciais em busca de mais restos mortais não encontradas

A província deve investir US$ 10 milhões nas novas investigações

BlogTO
https://www.blogto.com/city/2021/06/ontario-investigate-residential-school-sites-unmarked-graves/
A Kamloops Indian Residential School, fundada em 1890, tornou-se a maior escola do sistema de escolas residenciais com o pico de matrículas no início dos anos 1950 com 500 crianças indígenas [Biblioteca e Arquivos do Canadá / Folheto via Reuters]

A revelação devastadora dos restos mortais de 215 crianças na Escola Residencial Indígena Kamloops em B.C. (British Columbia) no mês passado, renovou os apelos para que a Comissão da Verdade e Reconciliação do Canadá promova ações mais sérias, incluindo, mas não se limitando a, uma investigação mais aprofundada das propriedades de escolas residenciais. 

 

Embora o governo tenha atendido, até agora, apenas um pequeno número das demandas do Relatório da Comissão da Verdade e Reconciliação de 2015, há alguns indícios de que, após o ocorrido deste ano, as autoridades estão prestando mais atenção.  

 

Enquanto os residentes participavam de protestos para homenagear as vítimas, Ottawa estabeleceu um feriado para marcar as atrocidades perpetradas pelo sistema escolar residencial do país - e Ontário agora promete desenterrar e pesquisar mais escolas residenciais. Estátuas de figuras históricas que tinham envolvimento com o antigo sistema escolar foram derrubadas.  

 

A província está investindo US$10 milhões para ajudar a identificar e investigar outras 18 escolas residenciais indígenas que possam esconder mais restos mortais de crianças. Além disso, o governo visa ajudar, homenagear e apoiar famílias e comunidades relacionadas à fatalidade.

 

"Sabemos que as trágicas descobertas em um antigo local da escola residencial indígena em B.C. infelizmente não são um caso isolado”, reconheceu o ministro de Assuntos Indígenas Greg Rickford em um comunicado à imprensa sobre o assunto nesta terça-feira, 15.

 

“Os habitantes de Ontário esperam que os governos se comprometam com o trabalho de investigação dos cemitérios das Escolas Residenciais Indígenas com caráter prioritário e nosso governo está tomando medidas para apoiar este processo até a sua conclusão”.

 

 

Os líderes das Primeiras Nações estão sendo chamados para cada etapa do processo e trabalharão com especialistas em arqueologia, ciência forense, história e muito mais ao longo deste trabalho cuidadoso.

 

Recursos de saúde mental também serão disponibilizados aos residentes após quaisquer descobertas, que serão compartilhados e memorizados se desejado pela comunidade para ajudar a iluminar este passado sombrio.

 

O conselheiro regional da Nação Métis de Ontário também afirmou hoje que este anúncio reconhece os impactos negativos que essas escolas tiveram, e continuam a ter, dentro de nossas comunidades. Mais importante, ele traça um curso de ação para começar a enfrentá-los. "Agradecemos esta ação tangível e continuaremos a trabalhar com Ontário e Canadá para trazer o fechamento que nossas comunidades merecem", acrescentou Greg. 

 

Ao longo de décadas, mais de 150.000 crianças indígenas foram forçadas a entrar nas instituições, que eram notórias por todos os tipos de abusos físicos, sexuais e psicológicos, juntamente com o apagamento deliberado da cultura indígena em favor de modos de vida cristãos e eurocêntricos.

 

Como tal, o trágico legado do sistema continua vivo, por mais que alguns prefiram fugir de sua dolorosa realidade e ignorar o papel que algumas das figuras de destaque de nossa nação tiveram nele.

Coautoria: Viktória Matos

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.6%
4.7%
7.6%