MENU

25/06/2021 às 13h18min - Atualizada em 25/06/2021 às 13h18min

Catedral de Saskatoon foi pintada como forma de protesto

O ato representou a indignação da população indígena após mais restos mortais de crianças terem sido encontrados, desta vez em Saskatchewan.

CBC News
https://www.cbc.ca/news/canada/saskatoon/saskatoon-catholic-cathedral-covered-with-paint-after-discovery-of-751-unmarked-graves-1.6079950
Imagem de Donna Heimbecker/Facebook

As portas de uma catedral católica romana no centro de Saskatoon, na província de Saskatchewan, foram pintadas na tarde de quinta-feira, após a descoberta de centenas de túmulos não marcados na antiga Escola Residencial Indígena Marieval.

 

O vídeo do evento postado nas redes sociais mostrou uma mulher pintando e respingando tinta vermelha na porta da Catedral. Fotos das consequências mostram as palavras "Nós éramos crianças" rabiscadas na porta da igreja.

 

A Igreja Católica tem sido criticada por seu papel no sistema escolar residencial, especialmente por sua relutância em fornecer registros relativos a cemitérios.

 

Na quinta-feira, a Cowessess First Nation anunciou a descoberta preliminar de 751 túmulos não marcados na antiga escola residencial. O anúncio, mais uma vez, causou choque e indignação em todo o país.

 

A descoberta ocorreu dias após a Primeira Nação Tk'emlúps te Secwépemc de British Columbia, anunciar que foi encontrado um cemitério adjacente à antiga Escola Residencial Indígena Kamloops. Os resultados preliminares indicam que o local contém os restos mortais de 215 crianças.

 

Experiência emocional

 

Uma testemunha ocular disse que assistir ao evento foi uma bela experiência.

 

Cathy Bohachik estava do lado de fora da catedral em comemoração ao 60º aniversário do casamento de seus pais quando cerca de 20 pessoas se aproximaram da área vestindo camisetas laranja. Então, uma mulher se separou do grupo e começou a pintar a porta.

 

"Foi muito solene, muito tranquilo e muito bonito", disse ela.

 

"Ela começou a fazer seu trabalho artístico e ficamos realmente sem palavras."

 

Bohachik foi criada como católica e disse que nunca tinha ouvido falar do sistema de escolas residenciais enquanto crescia.

 

"Foi a experiência mais incrível que já vi em Saskatchewan", disse ela.

 

"Fiquei muito emocionado durante toda a noite e fiquei muito grato por estar lá para ver isso."

 

Bohachik disse que a mulher foi abordada pela polícia e ordenada a sair. Um porta-voz da polícia de Saskatoon disse que nenhuma acusação foi feita até o momento.

 

Nesta sexta-feira de manhã, a tinta foi removida e um segurança foi colocado do lado de fora da igreja.

 

No início da manhã de sexta-feira, nem a Co-Catedral de São Paulo nem a Diocese Católica Romana de Saskatoon emitiram um comunicado sobre o incidente.

 

Na quinta-feira, os bispos católicos de Saskatchewan abordaram a descoberta de Cowessess, dizendo que a experiência foi "dolorosa e devastadora", especialmente para sobreviventes de escolas residenciais.

 

A declaração prosseguiu dizendo que os bispos apoiam a reconciliação e se comprometeram a apoiar Cadmus Delorme, chefe da Primeira Nação da Cowessess.

 

Existe um sistema de suporte que está disponível para qualquer pessoa afetada por sua experiência em escolas residenciais e aqueles que são acionados pelos relatórios mais recentes.


Uma linha nacional de crise escolar residencial indiana foi criada para fornecer apoio aos sobreviventes e às pessoas afetadas. As pessoas podem acessar serviços de referência emocional e de crise ligando para a linha nacional de crise 24 horas: 1-866-925-4419. Uma linha baseada em Saskatchewan agora está disponível pelo telefone 306-522-7494.

Coautoria: Viktória Matos
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.2%
5.2%
7.6%