MENU

29/06/2021 às 12h22min - Atualizada em 29/06/2021 às 12h22min

Momentos privados são capturados em câmeras de segurança e transmitidos ao vivo em website

As autoridades tentaram impedir o site, mas o streaming de câmeras domésticas desprotegidas não é ilegal.

CBC News
https://www.cbc.ca/news/canada/toronto/website-live-streaming-security-cameras-private-1.6083168
scyther5 / Getty Images/iStockphoto

Uma senhora idosa na cama ao lado de uma privada em Quebec, uma criança brincando em uma sala de estar em Alberta, uma mulher trabalhando em casa em Ontário e uma equipe de cozinha trabalhando em um café.

 

Todos esses momentos privados ficaram visíveis para qualquer pessoa na Internet através de um site que transmite ao vivo milhares de câmeras desprotegidas ao redor do mundo em tempo real.

 

Quando um funcionário de uma cafeteria no centro de Toronto soube que ele e outros funcionários estavam sendo vigiados, ele disse que ficou surpreso, porque seu gerente costuma ser minucioso no que diz respeito à segurança.

 

A CBC News está omitindo o sobrenome completo do funcionário porque ele diz que se sente desconfortável depois que sua privacidade já foi violada. Andy C. disse que uma mulher ligou para a Segunda Copa para alertá-los de que o vídeo de uma de suas câmeras nos fundos da loja estava visível no site e descreveu o que eles estavam fazendo em tempo real.

 

“Assim que ela revelou que não estava na área, eu pensei, 'OK, como você sabe de tudo isso?' Ela foi capaz de identificar as principais características das pessoas que estavam trabalhando; eu e outra pessoa ", disse ele. "Definitivamente desconfortável."

 

Andy disse que desligou a câmera de segurança imediatamente.

 

'Privacidade tem tudo a ver com controle'

 

Os sites que transmitem câmeras desprotegidas não são ilegais, mas o “Office of the Privacy Commissioner'' do Canadá rastreia esse site específico há anos. Diz que enquanto o site parou de transmitir por um tempo, ele voltou a funcionar e, algumas semanas atrás, começou mais uma vez a transmitir configurações privadas.

 

Especialistas em segurança cibernética dizem que, com as câmeras de segurança domésticas se tornando mais populares e as pessoas trabalhando em casa durante a pandemia, é vital que o público seja informado sobre como manter suas câmeras seguras.

 

A CBC News não está nomeando o site para evitar contribuir para a invasão de privacidade das pessoas. O site teria sua sede na Rússia e se autodenomina o maior diretório mundial de câmeras de segurança de vigilância online. Em qualquer dia, existem dezenas de milhares de câmeras disponíveis para assistir em todo o mundo, incluindo mais de 250 no Canadá.

 

A maioria deles mostra espaços ao ar livre, onde a expectativa de privacidade é baixa, mas alguns mostram claramente o interior de residências e empresas sem permissão.

 

A CBC News tentou entrar em contato com os proprietários de várias câmeras e conseguiu contato com um punhado de empresas (o site lista a localização geral das câmeras, mas algumas eram imprecisas). Além de um funcionário da cafeteria, os proprietários de negócios e funcionários não queriam ser entrevistados depois de terem descoberto que o vídeo de suas câmeras estava visível. 

 

O ex-comissário de privacidade de Ontário disse que é espantoso que o site esteja transmitindo momentos pessoais e interações das pessoas sem seu conhecimento ou consentimento.

 

"Você pode imaginar quantas informações confidenciais poderiam ser potencialmente capturadas por uma câmera", disse Ann Cavoukian. "Não é da conta de ninguém. Privacidade tem tudo a ver com controle. É sobre controle pessoal sobre o uso e divulgação de suas informações pessoais. Isso joga tudo fora."

 

Cavoukian, que agora é diretora executiva do Global Privacy and Security by Design Centre em Toronto, disse que sem controle sobre as imagens transmitidas online, "não se pode imaginar que usos antiéticos podem surgir".

 

"Temos que encontrar maneiras de impedir isso", disse ela.

 

O site tem como alvo as câmeras sem senhas

 

Especialistas em cibersegurança dizem que as principais maneiras pelas quais um site pode acessar uma câmera de segurança é sem uma senha, a senha de fábrica não é alterada ou uma câmera é configurada incorretamente durante a configuração.

 

"Se você não está alterando [senhas] ou não está usando senhas complexas, fica vulnerável", disse Sumit Bhatia, diretor de inovação e política do Rogers Cybersecure Catalyst da Ryerson University.

 

A homepage do site que a CBC focou nesta matéria, inclui uma declaração de que apenas transmite câmeras sem senha e que as câmeras não são hackeadas, mas Bhatia disse que câmeras deixadas vulneráveis ​​podem levar à invasão de hackers.

 

É possível que hackers tenham acesso a outros dispositivos na mesma rede, disse ele, como computadores, telefones e tablets, o que é ainda mais preocupante durante a pandemia.

 

“Todo mundo está trabalhando em casa, e muitas pessoas não necessariamente colocaram novas medidas ou implementaram novas maneiras de proteger seus sistemas domésticos”, disse Bhatia. "E isso é apenas uma função de seu próprio conhecimento ou recursos limitados, o que significa que laptops e computadores de trabalho agora também podem ser acessados ​​por hackers que invadiram câmeras de segurança."

 

Bhatia disse que há vários sites que transmitem câmeras sem o conhecimento das pessoas e acredita que alguns funcionam em conjunto. Embora alguns deles possam alegar que estão expondo vulnerabilidades que existem em sistemas de câmeras de segurança, ele disse que hackers externos podem tirar vantagem de câmeras comprometidas.

 

"Há claramente algumas preocupações por aí que temos que abordar como comunidade e como indústria, mas acredito que seus motivos não são necessariamente para o bem social."

 

O comissário federal de privacidade enviou uma carta ao site em 2014

 

Um porta-voz do comissário de privacidade do Canadá disse que há sete anos o escritório - junto com os chefes de outras autoridades provinciais e internacionais de proteção de dados - enviou uma carta ao operador do site solicitando que o site fosse retirado.

 

Vito Pilieci disse que logo depois, o site parou de transmitir por um tempo, mas continuou postando um número menor de feeds externos. Então, algumas semanas atrás, disse ele, o site mais uma vez começou a transmitir "alguns casos flagrantes" de configurações privadas.

 

"Esta é claramente uma questão de privacidade extremamente preocupante", disse Pilieci por e-mail. "No momento, estamos considerando opções sobre a melhor forma de abordar o assunto."

 

Ele disse que potencialmente inclui discussões com contrapartes internacionais porque o site não é baseado no Canadá.

 

“Recomendamos que qualquer pessoa com uma webcam em sua casa ou empresa garanta que tome medidas para proteger a câmera. Em particular, eles devem se certificar de que não estão usando a senha padrão de fábrica”, disse Pilieci.

 

A CBC News contactou o administrador do site, mas não obteve resposta. O site afirma que trabalha para proteger a privacidade das pessoas, mostrando apenas câmeras filtradas e diz que qualquer coisa antiética será removida mediante uma reclamação por e-mail.

 

“Se você não quiser nos contatar por e-mail, ainda pode remover sua câmera [do site]. A única coisa que você precisa fazer é definir a senha de sua câmera”, diz o site.

 

Não é ilegal transmitir câmeras comprometidas, diz o advogado

 

Apesar de sua natureza intrusiva, executar sites que transmitem câmeras não protegidas não é ilegal no Canadá, disse Elliott Goldstein, advogado em Newmarket, Ontário, que consulta as indústrias de alarme e segurança sobre o uso de câmeras de vigilância em residências e empresas.

 

"O problema é que a maioria desses sites está fora do país. Não há nenhuma lei que realmente governe esse tipo de site", disse ele, acrescentando que a responsabilidade recai sobre o proprietário da câmera para garantir que ela seja segura com uma senha.

 

"É como deixar as janelas abertas e as pessoas olhando para dentro. Se você quer privacidade, feche as cortinas."

 

Goldstein disse que as filmagens comprometidas podem ser usadas de maneiras nefastas - desde chantagem e assédio até o feed comprometido sendo vendido a outros telespectadores com lucro.

 

As empresas com câmeras desprotegidas podem ser responsabilizadas por comprometer as informações pessoais de seus clientes, disse Goldstein. Isso pode ser um problema específico em ambientes onde informações pessoais confidenciais são coletadas, como em um consultório médico, acrescentou.

 

"É responsabilidade da organização que controla o dispositivo de coleta de informações garantir que ele o faça de maneira adequada."

 

Não houve um impulso significativo por parte dos governos provinciais ou federais para aprovar uma legislação abordando a questão específica, disse Goldstein.

 

"No momento, eles têm muitos outros problemas com os quais lidar. Câmeras comprometidas não estão realmente no topo da lista de prioridades."

 

Dicas para manter sua câmera segura

 

Bhatia, da Ryerson University, disse que a segurança cibernética é uma preocupação crescente e há uma falta de programas de educação e conscientização para ajudar as pessoas a se protegerem e a suas informações.

 

Aqui estão suas dicas principais quando se trata de proteger câmeras domésticas ou comerciais:

 

- Altere a senha padrão da câmera e atribua uma nova.

- Evite senhas simples e curtas.

- Se você não consegue se lembrar de senhas complexas, peça a ajuda de um gerenciador de senhas.

- Evite conectar dispositivos à mesma rede.

- Atualize regularmente o firmware da câmera.

 

Se sua câmera foi comprometida:

 

- Desconecte-o imediatamente da rede.

- Desconecte seu roteador, reconfigure sua rede e mude todas as suas senhas.

- Se a sua câmera estiver conectada a um serviço de monitoramento, notifique o serviço.

- Verifique se há anomalias nos outros dispositivos domésticos, reconfigure-os e altere as senhas.

- Se você tiver sérias preocupações, notifique a polícia.



 

Coautoria: Viktória Matos

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.4%
5.2%
8.4%