MENU

22/07/2021 às 11h33min - Atualizada em 22/07/2021 às 11h33min

É identificada 4ª vítima canadense no prédio que desabou na Flórida

A quarta vítima canadense foi identificada quase quatro semanas após o colapso de uma torre de 12 andares em Surfside, Flórida, que matou mais de 90 pessoas.

CBC News
https://www.cbc.ca/news/world/miami-condo-collapse-fourth-canadian-victim-identified-1.6112011
Na foto Anastasia Gromova, 24. (via Facebook)

A polícia de Miami-Dade disse ao CBC News na tarde de ontem que Anastasia Gromova, de 24 anos, foi identificada como uma das vítimas do colapso das Torres Champlain South na Flórida. 

 

Gromova estava viajando com sua amiga Michelle Pazos, outra canadense que também foi identificada entre as vítimas do colapso das Torres Champlain South em 24 de junho e ambas eram mulheres de Montreal.

 

A família de Gromova saiu às pressas do Canadá após o colapso e passou semanas em agonia esperando por uma resposta em Miami.

 

"Isso torna tudo real e difícil, mas em um nível diferente. Pelo menos podemos seguir em frente agora", disse sua irmã Anna Gromova à Associated Press, descrevendo sua irmã como uma estrela brilhante que caiu rapidamente. "Vamos nos lembrar dela para sempre."

 

Seus pais disseram que ela era inteligente, sempre em movimento, sempre sorrindo e sem medo de enfrentar desafios.

 

"É difícil porque você sabia que a perda era evitável e ainda assim nada foi evitado", disse sua irmã.

 

O juiz descreve a compensação provável

 

Enquanto isso, as vítimas e famílias que sofreram perdas no colapso receberão um mínimo de US $150 milhões em indenização inicialmente, disse um juiz na quarta-feira.

 

Essa soma inclui cerca de US $50 milhões em seguro no edifício Champlain Towers South e pelo menos US $100 milhões em receitas da venda da propriedade Surfside onde a estrutura ficava, disse o juiz do circuito de Miami-Dade Michael Hanzman em uma audiência.

 

"A preocupação do tribunal sempre foram as vítimas aqui", disse o juiz.

 

O grupo inclui visitantes e locatários, não apenas proprietários de condomínios, disse ele. "Seus direitos serão protegidos."

 

Os US $150 milhões não contam com nenhuma receita de vários processos já iniciados desde o colapso de 24 de junho, que matou pelo menos 97 pessoas. Essas ações estão sendo consolidadas em uma única ação coletiva que cobriria todas as vítimas e familiares se assim desejarem, de acordo com o juiz.

 

"Não tenho dúvidas de que nenhuma pedra será deixada sobre pedra", disse Hanzman sobre os processos.

 

Longo esforço de recuperação

 

Até agora, 97 vítimas foram identificadas, muitas delas usando análise de DNA.

 

Funcionários de Miami Dade disseram na noite de quarta-feira que acreditavam ter mais duas vítimas ainda para identificar, mas o nome de outra pessoa foi divulgado no final do dia - o que significa que pode haver apenas mais uma.

 

As autoridades ainda não anunciaram o fim do esforço de recuperação.

 

Enquanto isso, o local da tragédia foi quase todo limpo com os destroços transferidos para um local de coleta de evidências perto do aeroporto, onde uma busca completa continuará "com enorme cuidado e diligência", disse a prefeita Daniella Levine Cava.

 

Ontem ela falou sobre as dificuldades da busca em um comunicado. 

 

"A enorme pressão do peso do colapso e da passagem do tempo também o torna mais desafiador", disse ela, enfatizando que os trabalhadores ainda estavam vasculhando cuidadosamente os escombros em busca das vítimas restantes, bem como de propriedades pessoais e artefatos religiosos.

 

Os escombros que são as principais evidências estão sendo armazenados em um depósito na área de Miami, com o restante em terrenos baldios próximos, disse o advogado Michael Goldberg. Tudo isso será preservado como possível evidência para as ações judiciais e para outros especialistas revisarem, disse ele.

 

O Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA está liderando uma investigação federal sobre o colapso.

 

"Pode levar anos para que seu relatório se torne público", disse Goldberg sobre a investigação do NIST.

 

O prédio estava passando pelo processo de recertificação de 40 anos quando desabou. Isso aconteceu três anos depois que um engenheiro alertou sobre sérios problemas estruturais que precisavam de atenção imediata. A maior parte dos reparos no concreto e outros trabalhos ainda não foram iniciados.

 

 

Coautoria: Viktória Matos

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.4%
4.8%
7.8%