MENU

10/08/2021 às 16h24min - Atualizada em 10/08/2021 às 16h24min

Investigações sendo iniciadas no local de antiga escola residencial St. Paul’s Indian Residential School em B.C.

Três Primeiras Nações anunciaram hoje como acontecerá o passo a passo das investigações

Redação North News
CTV News
Museum of North Vancouver's public archive
VANCOUVER - Uma investigação será lançada sobre o que aconteceu com os alunos de uma antiga escola residencial em North Vancouver, três Primeiras Nações anunciaram nesta terça-feira, 10.
 
O anúncio foi feito pelas Primeiras Nações Squamish, Musqueam e Tsleil-Waututh no local da escola St. Paul’s Indian Residential School em North Vancouver, que funcionou de 1899 a 1958 e foi administrada pela Igreja Católica. Essa escola foi fechada devido a questões de segurança contra incêndios e foi eventualmente substituída pela St. Paul's Indian Day School.
 
O local agora é usado como estacionamento para funcionários da Escola Secundária Regional St. Thomas Aquinas.
 
"Nossa intenção aqui hoje é iniciar um processo de cura para nossos sobreviventes e para nosso povo", disse Khelsilem, porta-voz da Squamish Nation, durante o anúncio.
 
"As três nações trabalharão junto com a Arquidiocese Católica... para reunir todas as informações para homenagear e encontrar aquelas crianças que podem não ter ido para casa, mas frequentaram a Escola Residencial St. Paul's Indian."
 
Nos últimos meses, as Primeiras Nações em todo o Canadá anunciaram as descobertas do que se acredita serem os restos mortais de muitas outras crianças suspeitas de morrer em escolas residenciais, algumas usando radar de penetração no solo para analisar a área ao redor das antigas escolas.
 
Dados de radar de penetração no solo mostraram anomalias no solo que, com base em outras evidências, incluindo ossos e histórias de sobreviventes, são túmulos com corpos de crianças que nunca voltaram para casa.
 
Em maio, o Tk’emlúps te Secwepemc anunciou que identificou os túmulos de 215 crianças perto da Escola Residencial Indígena Kamloops. O anúncio teve um impacto significativo em todo o Canadá e algumas nações anunciaram logo depois que seguiriam o exemplo.
 
No anúncio, Khelsilem disse que a investigação envolverá várias etapas. Primeiro, entrevistas formais serão conduzidas com sobreviventes que frequentaram a escola.
 
Khelsilem disse que seus "relatos podem ajudar a restringir ou expandir a investigação." Da mesma forma, todos os registros relacionados à escola serão coletados de todos os níveis de governo, da Igreja Católica e de quaisquer outros grupos religiosos afiliados à antiga escola.
 
"Depois que essas duas peças ajudarem a informar, a terceira etapa da investigação é o sensoriamento remoto pesquisado em áreas de interesse definidas, que podem incluir estudos de radar de penetração no solo ou outros métodos adequados", afirmou Khelsilem.
 
Após o anúncio de maio em Kamloops, o STA emitiu um comunicado, dizendo que expressou "profunda tristeza" com a descoberta.
 
"Oferecemos nossas orações por todos aqueles em nossa comunidade afetados pelo legado de escolas residenciais", foi divulgado no comunicado.
 
Para assistência imediata àqueles que possam precisar, a Linha Nacional de Crise de Escolas Residenciais Indígenas está disponível 24 horas por dia no telefone 1-866-925-4419.


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.4%
4.8%
7.8%