MENU

14/09/2021 às 16h51min - Atualizada em 14/09/2021 às 16h51min

Metro Vancouver tem a maior taxa de despejo de imóveis para aluguel do Canadá

Quebec e Manitoba são as províncias com o menor número de despejos no país

Redação North News
Daily Hive
Vancouver skyline (Shutterstock)
O epicentro da crise de acessibilidade habitacional do Canadá também tem a maior taxa de despejo do país para imóveis para locação, com base em um estudo recém-lançado por pesquisadores da Universidade de British Columbia.
 
O estudo nacional sobre as taxas de despejo concluiu que a taxa de despejo da região de Vancouver nos últimos cinco anos foi de 10,5%, muito maior do que a de Toronto com 5,8% e a de Montreal com 4,2%.
 
A taxa de toda a província para a Colúmbia Britânica foi ligeiramente superior, de 10,6%. Em contraste, outras taxas de despejo provinciais foram muito mais baixas, com Prince Edward Island com 6,8%, Ontário e Alberta com 6,3%, Saskatchewan com 5,1%, Quebec com 3,9% e Manitoba com 3,7%.
 
Embora os aluguéis sejam mais altos na cidade de Vancouver, os despejos no Metro Vancouver parecem estar mais concentrados em cidades suburbanas como Surrey, Port Coquitlam e Maple Ridge do que em Vancouver e nas cidades vizinhas.
 
Observa-se que aqueles com idade entre 45 e 54 anos em B.C. e têm uma taxa de custo de abrigo para renda acima de 50% são “fatores de risco para despejo”. Paralelamente, o relatório afirma que não existe uma relação forte entre o crescimento das rendas reais e os despejos, apesar de B.C. ter registado o maior crescimento das rendas reais entre 2013 e 2018.
 
Em todo o país, estima-se que os locatários do sexo masculino têm uma taxa de despejo (7,2%) um pouco maior em comparação com as mulheres (6,1%). A maior taxa de despejo com base na idade é da faixa de 45 a 54 anos, com taxa de 8,4%. Crianças e locatários com idade entre 45 e 54 anos têm “significativamente” mais probabilidade de serem despejados do que adultos mais jovens e idosos. Locatários com mais de 75 anos têm uma taxa de despejo mais baixa do que qualquer outra faixa etária.
 
Os indivíduos das Primeiras Nações têm uma das maiores taxas de despejo com base na demografia do grupo, oscilando em 12,3%.
 
A pesquisa também cita outros estudos que descobriram que os despejos muitas vezes causam uma espiral descendente na qualidade da habitação que pode levar à falta de moradia para os jovens. Entre os usuários de drogas de Vancouver, os despejos aumentam a probabilidade de recair nas drogas ilícitas pesadas, aumentam a carga viral do HIV entre os inquilinos soropositivos e aumentam a probabilidade de sofrer violência.
 
Estima-se que 1,3% dos locatários, cerca de 127.000 pessoas em 56.000 domicílios, foram despejados no Canadá em 2018. Além disso, cerca de 6,6% dos locatários foram despejados em um período de cinco anos, e quase 10% dos locatários indicaram que sua mudança mais recente foi um despejo, com dados sugerindo que cinco em cada seis famílias forçadas a se mudar eram locatários, embora os locatários representem apenas cerca de um terço das famílias canadenses.
 
Os locatários também têm quatro vezes mais probabilidade de viver em uma casa considerada inacessível, que é o aluguel que excede 30% da renda familiar.
 
Essas descobertas são baseadas na interpretação do pesquisador de dados da Statistics Canada e Canada Mortgage and Housing Corporation.
 
Nos últimos anos, o governo provincial da Colúmbia Britânica promulgou novas políticas que tornam mais difícil para os proprietários despejar inquilinos, inclusive por motivos como reformas. O aumento máximo anual do aluguel também foi limitado à taxa de inflação, com 1,5% sendo o limite para 2022 - de longe a menor taxa de aumento em pelo menos 15 anos.
 
Houve um congelamento dos aluguéis em B.C. desde março de 2020 como uma medida pandêmica de emergência, mas isso deve terminar no final deste ano. O governo provincial também colocou em vigor uma proibição temporária de despejos por motivos como o não pagamento do aluguel até setembro de 2020.


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.4%
4.8%
7.8%