MENU

08/12/2021 às 22h17min - Atualizada em 08/12/2021 às 22h17min

Canadá adere boicote diplomático às Olimpíadas de Pequim

Governo canadense não comparecerá às Olimpíadas de Pequim em protesto

Redação North News
CityNews
Getty
Funcionários do governo canadense não comparecerão às Olimpíadas de Pequim em protesto pelas “repetidas violações dos direitos humanos” cometidas pela China.

O primeiro-ministro Justin Trudeau anunciou o boicote diplomático nesta quarta-feira (08), dizendo que seu governo está "extremamente preocupado" com as violações percebidas pelo governo chinês.

“Nos últimos anos, temos sido muito claros sobre nossas profundas preocupações em relação às violações dos direitos humanos e esta é uma continuação de como expressamos nossas profundas preocupações”.

As violações percebidas contra o governo chinês incluem a tentativa de genocídio de muçulmanos uigures e a detenção arbitrária dos dois Michaels, que foram libertados em setembro, após quase três anos em celas de prisão chinesas.

“As preocupações em torno da detenção arbitrária são reais e compartilhadas por muitas dezenas de países”, disse Trudeau. “Continuaremos a nos posicionar muito, muito claramente como um mundo contra a diplomacia coercitiva.”

Os atletas canadenses ainda poderão assistir e competir nos Jogos de Inverno.

“Nossos atletas treinam há anos e estão ansiosos para competir no mais alto nível contra atletas de todo o mundo”, disse Trudeau. “Eles continuarão a ter todo o nosso apoio”.
A ministra das Relações Exteriores, Melanie Joly, disse que o governo federal trabalhará com a RCMP para garantir que os atletas canadenses tenham serviços de proteção. Joly diz que o RCMP já trabalhou com o comitê olímpico de maneira semelhante.

Os Comitês Olímpico e Paraolímpico canadenses divulgaram um comunicado dizendo que respeitam a decisão do governo Trudeau e consideram que faz uma “distinção importante” entre boicotes diplomáticos e boicotes de atletas. O Comitê afirma que a participação de atletas canadenses será uma oportunidade para chamar mais atenção para as questões da China.

“A história mostra que os boicotes de atletas apenas prejudicam os atletas, sem criar mudanças significativas”, diz o comunicado.

O Canadá enviou apenas uma pessoa como parte da delegação diplomática aos Jogos Olímpicos de Tóquio no verão passado, embora os Jogos tenham ocorrido durante um surto de infecções por COVID-19 no Japão.

A decisão do governo federal de boicotar os Jogos veio em meio à crescente pressão para que o Canadá seguisse o exemplo dos EUA e de outros aliados, que também anunciaram que não enviariam nenhum oficial para as Olimpíadas.

“Sabemos que em questões como essa é importante ter certeza de que estamos trabalhando com nossos aliados e nos alinhando com nossos aliados”, disse Trudeau, falando aos repórteres na manhã de quarta-feira.

Na última terça-feira (07), Trudeau sugeriu que levaria semanas antes que uma decisão fosse anunciada, mas desde então o Reino Unido, a Austrália e a Lituânia anunciaram que impediriam que funcionários do governo comparecessem aos jogos em fevereiro. Atletas de cada nação também continuarão competindo nos Jogos.

Tanto o NDP quanto os conservadores conclamaram o governo Trudeau a fazer o mesmo esta semana.

A China adotou um tom ameaçador em resposta aos boicotes, prometendo “contra-medidas” e dizendo que os EUA pagarão um preço por sua decisão. Não houve nenhuma indicação das autoridades chinesas sobre como seria uma resposta.

O boicote "viola gravemente o princípio da neutralidade política dos esportes estabelecido pela Carta Olímpica e vai contra o lema olímpico 'mais unido'", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian.

Os Jogos de Inverno estão programados para começar em 4 de fevereiro.


Coautor: Caroline Guerra.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.2%
5.9%
6.9%