MENU

02/02/2022 às 11h01min - Atualizada em 02/02/2022 às 11h01min

Manifestações tomam conta das Redes Sociais por morte de congolês no Rio de Janeiro

Jogadores de futebol, artistas e celebridades se manifestaram na Internet

Leandro Mendonça
Arte
 
Um dia após a morte do jovem congolês Moïse Kabagambe, de 24 anos, em uma briga na zona oeste do Rio de Janeiro, vários anônimos, celebridades e até jogadores de futebol foram às redes sociais pedindo justiça pela morte do imigrante.
A hashtag #JusticaPorMoise subiu rapidamente no Twitter, juntamente de #BlackLivesMatter. O jovem, negro e africano, foi espancado até a morte. Na manhã desta quarta-feira, três homens assumiram a autoria do crime e vão ser julgados por homicídio duplamente qualificado – quando a vítima não tem como se defender e quando há requintes de crueldade.
Mano Brown, vocalista do Racionais MC's e apoiador da causa negra no Brasil se solidarizou no Twitter. A atriz Taís Araújo usou sua conta no Instagram para mostrar o quão estava assustada com o que chamou de “barbárie”. O jogador de futebol Gabigol foi outro que usou o Instagram para demonstrar insatisfação.
“Esse não é o Rio que aprendi a amar e que me recebeu de braços abertos!!! Queremos justiça, não podemos normalizar crimes como esse!! Que seja feita justiça a Moïse Mugenyi e toda sua família!! Estamos juntos de vocês! #JusticaPorMoiseMugenyi
A família do jovem foi ao IML reconhecer o corpo e desolado, o pai bradava.
“Ele trabalhava. Nós fugimos da África para sermos acolhidos no Brasil. O Brasil é uma segunda casa, e como uma casa pode matar um irmão?”

A Anistia Internacional Brasileira soltou uma nota:

"A violência, que culminou com a morte do jovem Moïse Kabagambe, é um flagrante e inaceitável caso de violação do direito humano à vida e à dignidade humana, garantido pela Constituição Federal (Art. 5º) e pelos tratados internacionais ratificados pelo Brasil, que inclusive determinam que o país se obriga a garantir este direito a todos os estrangeiros sob sua jurisdição, ou seja, residentes no país. Além disso, não se pode ignorar que o assassinato de Moïse reproduz um padrão sistemático de violência perpetrada contra pessoas refugiadas e negras no Brasil. Em nosso país, a xenofobia e o racismo estrutural caminham lado a lado na perpetuação das condições de vulnerabilidade social que ameaçam a dignidade, a segurança e a vida de imigrantes negros como Moïse Kabagambe.
Nesta terça-feira, 1º de fevereiro a Anistia Internacional Brasil enviou ofícios ao governador do Estado do Rio de Janeiro, Claudio Castro, e ao Prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes exigindo justiça e reparação para os familiares de Moïse.
A Anistia Internacional demanda que o governo do Estado do Rio de Janeiro seja transparente e rápido na condução das investigações e que a prefeitura do Rio de Janeiro colabore com toda e qualquer informação que contribua com as investigações acerca do homicídio de Moïse Mugenyi Kabagambe, refugiado político da República Democrática do Congo e residente no Brasil desde 2014. A família do jovem e toda a sociedade precisam ser informadas continuamente sobre o andamento das investigações. Moïse foi brutalmente assassinado, segundo a família após ter ido cobrar R$200,00 de empregador referente a dois dias de trabalho em um quiosque, na Barra da Tijuca.
O crime ocorreu na noite de 24 de janeiro, no Quiosque Tropicália, na Praia da Barra da Tijuca e somente nesta terça-feira, 6 dias depois, o governador do Estado do RJ e o prefeito da cidade, Eduardo Paes, resolveram agir, o que demonstra que a pressão da sociedade civil e a divulgação do caso na imprensa surtiu efeito.
A Anistia Internacional Brasil cobra também das autoridades públicas que medidas efetivas e políticas públicas de enfrentamento ao racismo, à xenofobia e de proteção e defesa dos direitos das pessoas refugiadas sejam adotadas pelas nas esferas municipais, estaduais e federais para que situações como a de Moïse não voltem a acontecer. O enfrentamento ao racismo, à xenofobia e a garantia de direitos humanos devem ser prioridades das autoridades públicas. Exigimos justiça por Moïse e por todos e todas jovens que perdem seu direito à vida num país que insiste em tratar o racismo sem a devida importância".

O Jornal North News repudia toda e qualquer forma de racismo cometido por cidadãos, brasileiros ou não, pelo Mundo.
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%