MENU

18/04/2022 às 10h55min - Atualizada em 18/04/2022 às 10h55min

Luzes da Aurora Boreal foram vistas no céu islandês

As luzes também estavam previstas para serem vistas no Canadá, entretanto, como se trata de uma força magnética do universo, não é possível ter uma precisão de onde elas podem ser observadas.

Co - autora: Isabela Peixer
Diario Las Americas, Revista Galileu e Gente de la safor
Foto: Todd Salat
Uma erupção solar de tamanho médio explodiu na semana passada, que, juntamente com uma ejeção maciça de plasma, também iluminou o céu do norte da Islândia com luzes brilhantes. Uma imagem impressionante do efeito mostra a aurora boreal chovendo através das nuvens sobre a Islândia.

Os raios desse crepúsculo brilharam perto da cachoeira Goðafoss, que fica a cerca de 45 minutos de Akureyri, a segunda maior cidade da Islândia.

“A janela de escuridão noturna está encolhendo rapidamente aqui a 65,7 graus de latitude norte, apenas 60 milhas ao sul do Círculo Ártico, tornando a cena da aurora boreal muito mais cara”, disse o fotógrafo Todd Salat.

"Em breve, a luz do sol no verão dificutará a visão das luzes", acrescentou Salat. A lua quase cheia também estava competindo por espaço de luz aqui"

As luzes também estavam previstas para serem vistas no Canadá, entretanto, como se trata de uma força magnética do universo, não é possível ter uma precisão de onde elas podem ser observadas.



Entenda como funciona



A Aurora Boreal é um fenômeno óptico que ocorre no extremo norte da Terra, formando, em conjunto à Aurora Austral (que acontece no hemisfério sul), os dois tipos de auroras polares que acontecem no planeta. Sua ocorrência está diretamente associada aos ventos solares e ao campo magnético da Terra.

O fenômeno acontece durante tempestades solares, quando um gás chamado plasma, que é eletrizado por partículas de elétrons e prótons, parte do Sol. O plasma entra em contato com a atmosfera e com o campo magnético da Terra, que funciona como um escudo contra essas partículas vindas do sol.

Os íons são átomos que ganharam ou perderam prótons ou elétrons e são eles que estão por trás das diferentes cores da aurora boreal. As partículas seguem as linhas do campo magnético da Terra e, ao entrarem na nossa atmosfera, se misturam com gases. Os elétrons energizados batem com as moléculas de oxigênio e nitrogênio e emitem luzes de cor azul, vermelha e verde.

O local do mundo em que sua ocorrência é mais frequente é a cidade de Lapônia, na Finlândia, que costuma receber uma grande quantidade de turistas nos meses de setembro e outubro e também em fevereiro e março, períodos do ano em que é mais provável a manifestação desse verdadeiro espetáculo natural. No geral, quanto mais ao norte do planeta, mais chances você terá de observa-la.

 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%