MENU

10/02/2021 às 09h04min - Atualizada em 10/02/2021 às 09h04min

Alunos do ensino primário voltam às aulas na Angola

O país estava há quase um ano sem ensino presencial

Redação North News
Angop
Nesta quarta-feira (10), os alunos da rede primária de Angola voltaram às aulas. Quase um ano depois da suspensão das atividades presenciais, por conta da pandemia da covid-19, as crianças voltaram para o ambiente escolar.

Mais de seis milhões de alunos do ensino primário, três milhões entraram no sistema pela primeira vez, vestiram o uniforme e compareceram às salas de aula. Confira como foi o retorno em três províncias do país.

Província Luanda

Na província de Luanda, nas primeiras horas do dia, os pais já se movimentaram para deixar os filhos na escola. Outros pais ainda estavam buscando informações sobre o processo. 

Em algumas escolas da província, segundo um levantamento feio pela Agência Angola Press, 50% dos alunos estavam nas aulas. Apesar do bom número de estudantes voltando, a situação ainda é preocupante, já que algumas escolas não têm os equipamentos de segurança necessários para garantir o bem estar dos alunos e funcionários em meio a pandemia. 

Província do Huambo

Em Huambo, a adesão do retorno às aulas foi massiva e teve garantia de segurança dos alunos. 

Baldes com água e sabão foram colocados nas entradas das escolas para que cada um que entre, higienize as mãos. Além disso, os professores trataram de explicar aos alunos as regras que garantirão a segurança de todos, considerando a pandemia. 

Medidas de proteção individual, como máscara e álcool em gel 70%, também foram exigidos. 

Província de Lunda Sul

Na capital de Lunda Sul, Saurimo, estavam equipados com a dupla básica de proteção individual: máscara e álcool em gel 70%.

Assim como em Huambo, as escolas colocaram baldes com água e sabão nas entradas para que os alunos e funcionários pudessem higienizar as mãos. 

***Com informações de Agência Angola Press 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.5%
4.2%
8.3%