MENU

07/03/2022 às 14h06min - Atualizada em 07/03/2022 às 14h06min

Rússia estabelece cessar-fogo para evacuações, mas batalhas continuam

A polícia da região de Kharkiv disse na segunda-feira que 209 pessoas morreram apenas lá, 133 delas civis.

Co - autora: Isabela Peixer
CTV News
Foto: Oleksandr Ratushniak
A Rússia anunciou mais um cessar-fogo e um punhado de corredores humanitários para permitir que civis fujam da Ucrânia a partir de segunda-feira, embora as rotas de evacuação estivessem levando principalmente à Rússia e sua aliada Bielorrússia, atraindo críticas da Ucrânia e outros.

Não ficou claro se alguma evacuação estava ocorrendo. As forças russas continuaram a atacar algumas cidades ucranianas com foguetes, mesmo após o novo anúncio de corredores e os combates ferozes continuaram em algumas áreas, indicando que não haveria uma interrupção mais ampla das hostilidades.

Os esforços para criar passagens seguras para os civis deixarem as áreas sitiadas no fim de semana desmoronaram. Mas o Ministério da Defesa russo anunciou um novo impulso na segunda-feira, dizendo que os civis seriam autorizados a deixar a capital Kiev, a cidade portuária de Mariupol, no sul, e as cidades de Kharkiv e Sumy. Os dois lados também planejavam se reunir para conversar novamente na segunda-feira, embora as esperanças fossem fracas de que eles produzissem quaisquer avanços.

Bem na segunda semana de guerra, o plano da Rússia de invadir rapidamente o país foi frustrado pela resistência feroz. Suas tropas fizeram avanços significativos no sul da Ucrânia e ao longo da costa, mas muitos de seus esforços ficaram paralisados, incluindo um imenso comboio militar que está quase imóvel há dias ao norte de Kiev.

Os combates aumentaram os preços da energia em todo o mundo, os estoques despencaram e estão ameaçando o suprimento de alimentos e os meios de subsistência de pessoas em todo o mundo que dependem de terras agrícolas na região do Mar Negro.

O número de mortos, enquanto isso, permanece incerto. A ONU confirmou algumas centenas de mortes de civis, mas também alertou que o número é uma grande subconta. A polícia da região de Kharkiv disse na segunda-feira que 209 pessoas morreram apenas lá, 133 delas civis.

A invasão russa também fez 1,7 milhão de pessoas fugirem da Ucrânia, criando o que o chefe da agência de refugiados da ONU chamou de "a crise de refugiados que mais cresce na Europa desde a Segunda Guerra Mundial".

Muitos outros estão presos em cidades sob fogo. Comida, água, remédios e quase todos os outros suprimentos estavam em falta desesperadamente em Mariupol, para onde cerca de 200.000 pessoas tentavam fugir. A Rússia e a Ucrânia trocaram a culpa pelo fracasso de um cessar-fogo no fim de semana.

Na última proposta de cessar-fogo, a maioria das rotas de evacuação foram para a Rússia ou sua aliada Bielorrússia, um movimento que a vice-primeira-ministra ucraniana Irina Vereshchuk chamou de "inaceitável". A Bielorrússia serviu como base de lançamento para a invasão.

"Fornecer rotas de evacuação para os braços do país que atualmente está destruindo o seu é um absurdo", disse o ministro da Europa do Reino Unido, James Cleverly.

O governo ucraniano propôs oito rotas que permitiriam que civis viajassem para regiões ocidentais da Ucrânia, onde não há bombardeios russos.

A força-tarefa russa disse que a nova promessa de corredores humanitários foi anunciada a pedido do presidente francês Emmanuel Macron, que conversou com o presidente russo, Vladimir Putin, no domingo. O gabinete de Macron disse que ele pediu um fim mais amplo das operações militares na Ucrânia e proteção para civis.

No entanto, o prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, disse em um vídeo do Telegram que "batalhas ferozes" continuaram na segunda-feira na região de Kiev, principalmente em torno de Bucha, Hostomel, Vorzel e Irpin - áreas distantes dos corredores humanitários - e estavam atingindo civis. Irpin está sem eletricidade, água e aquecimento há três dias.

Ele não forneceu detalhes, mas disse que o chefe do conselho municipal de Hostomel, Yuriy Prilipko, foi morto enquanto distribuía pão e remédios.

Enquanto isso, as forças russas continuaram sua ofensiva em Mykolaiv, abrindo fogo contra a cidade a cerca de 480 quilômetros ao sul de Kiev, segundo o Estado-Maior da Ucrânia. Equipes de resgate disseram que estavam apagando incêndios causados ​​por ataques de foguetes em áreas residenciais.

Autoridades de emergência na região de Kharkiv disseram que bombardeios noturnos mataram pelo menos oito pessoas e destruíram prédios residenciais, instalações médicas e educacionais e prédios administrativos.

"A Rússia continua a realizar ataques com foguetes, bombas e artilharia nas cidades e assentamentos da Ucrânia", disse o Estado-Maior, e repetiu acusações anteriores ucranianas de que os russos atacaram corredores humanitários.

A declaração também acusou as forças russas de fazer reféns mulheres e crianças e colocar armas em áreas residenciais das cidades – embora não tenha elaborado ou fornecido provas.

Diante de uma série de sanções punitivas por parte dos países ocidentais, a Rússia cresceu cada vez mais isolada. O rublo despencou em valor e os extensos laços comerciais do país com o Ocidente foram praticamente rompidos. Moscou também reprimiu reportagens independentes sobre o conflito e prendeu manifestantes antiguerra em massa. No domingo, mais de 5.000 pessoas em 69 cidades foram detidas, segundo o grupo de direitos humanos OVD-Info – o número mais alto em um único dia desde que a invasão começou no mês passado.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pediu ainda mais punição na segunda-feira, pedindo um boicote global de todos os produtos russos, incluindo petróleo.

"Se a invasão continuar e a Rússia não abandonar seus planos contra a Ucrânia, então precisamos de um novo pacote de sanções", disse Zelensky em um discurso em vídeo. "Se (a Rússia) não quer cumprir as regras civilizadas, então eles não devem receber bens e serviços da civilização. Isso pode ser chamado de embargo, ou pode ser apenas moralidade."

Zelensky descreveu o bombardeio de cidades ucranianas no centro, norte e sul do país, descrevendo o "terror" enfrentado por civis nos subúrbios de Kiev e em Kharkiv e Mariupol, cercados por tropas russas.

Putin disse anteriormente que os ataques de Moscou podem ser interrompidos "somente se Kiev cessar as hostilidades". Como ele tem feito muitas vezes, ele culpou a Ucrânia pela guerra, dizendo ao presidente turco Recep Tayyip Erdogan no domingo que Kiev precisava parar todas as hostilidades e cumprir "as conhecidas demandas da Rússia".

Putin lançou sua invasão com uma série de acusações falsas contra Kiev, incluindo que é liderada por neonazistas com a intenção de minar a Rússia com o desenvolvimento de armas nucleares.

Oficiais militares britânicos compararam as táticas da Rússia às usadas por Moscou na Chechênia e na Síria, onde cidades cercadas foram pulverizadas por ataques aéreos e artilharia.

"Isso provavelmente representará um esforço para quebrar o moral ucraniano", disse o Ministério da Defesa do Reino Unido.

O punhado de moradores que conseguiram fugir de Mariupol antes do fechamento do corredor humanitário no domingo disse que a cidade de 430 mil habitantes foi devastada.

"Vimos tudo: casas em chamas, todas as pessoas sentadas em porões", disse Yelena Zamay, que fugiu para uma das autoproclamadas repúblicas no leste da Ucrânia mantidas por separatistas pró-Rússia. "Sem comunicação, sem água, sem gás, sem luz, sem água. Não havia nada."

A Rússia fez avanços significativos no sul da Ucrânia ao tentar bloquear o acesso ao Mar de Azov. A captura de Mariupol pode permitir que Moscou estabeleça um corredor terrestre para a Crimeia, que a Rússia anexou da Ucrânia em 2014, em um movimento que a maioria dos outros países considera ilegal.

O Ocidente apoiou amplamente a Ucrânia, oferecendo ajuda e remessas de armas e golpeando a Rússia com vastas sanções. Mas nenhuma tropa da OTAN foi enviada para a Ucrânia.

Zelensky criticou os líderes ocidentais por não responderem com mais força à Rússia. Ele apelou novamente na segunda-feira por uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia ou "aeronaves de combate e defesas aéreas que nos darão a força de que precisamos".

"Como as pessoas pacíficas em Kharkiv ou Mykolaiv diferem das (pessoas de) Hamburgo ou Viena?" perguntou Zelenski.

Até agora, a Otan descartou o policiamento de uma zona de exclusão aérea devido a preocupações de que tal ação levaria a uma guerra muito mais ampla.

Zelensky também pediu aos Estados Unidos e aos países da OTAN que enviassem mais aviões de guerra para a Ucrânia.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%