MENU

08/03/2022 às 11h12min - Atualizada em 08/03/2022 às 11h12min

Primeiro-ministro Trudeau se reunirá com líder da OTAN na Letônia após prometer apoio aos líderes do Báltico

Trudeau disse aos líderes do Báltico que o Canadá tem a terceira maior população de ucranianos do mundo depois da Ucrânia e da Rússia, "então estamos profundamente preocupados e engajados com este conflito na Ucrânia".

Co - autora: Isabela Peixer
CTV News
Foto: Blair Gable
O primeiro-ministro Justin Trudeau disse aos líderes de três países bálticos que fazem fronteira com a Rússia que o Canadá estará ao lado deles para combater não apenas a guerra do Kremlin na Ucrânia, mas também seus ataques cibernéticos em seus países.

"Você está literalmente na linha de frente deste desafio com a Rússia", disse ele na terça-feira em Riga, ao iniciar sua viagem à Letônia com reuniões com os líderes de três aliados da Otan no Báltico, quando a invasão russa da Ucrânia entrou em seu 13º dia.

"Francamente, você vive não apenas com a ameaça militar, não apenas com a história da ocupação - mas também com o uso diário de propaganda e desinformação para tentar minar a democracia e os valores que você tem", acrescentou, " algo que agora está sendo usado como arma contra a Ucrânia, mas também usado muito ativamente em todas as democracias do Ocidente."

Após uma reunião com o primeiro-ministro letão Krisjanis Karins, Trudeau fez as observações em uma sessão ampliada por teleconferência com seus homólogos da Lituânia e da Estônia.

O Canadá lidera o grupo de batalha da OTAN que faz parte dos esforços de dissuasão de longa data da OTAN contra a Rússia, uma missão que assumiu um novo significado à luz da invasão russa.

A ministra da Defesa, Anita Anand, juntou-se a Trudeau para a reunião, enquanto uma falange de ministros do gabinete se espalha por toda a Europa durante a rápida visita do primeiro-ministro a quatro países.

Trudeau diz que a contínua demonstração de unidade entre os aliados da Otan e outras democracias para apoiar a Ucrânia e é uma parte crítica para encerrar a crise.

Sua chegada a Riga na terça-feira ocorreu após uma visita de um dia ao Reino Unido para reuniões com o primeiro-ministro Boris Johnson e o primeiro-ministro holandês Mark Rutte.

O Monumento da Liberdade da Letônia e o prédio do Ministério das Relações Exteriores do país foram iluminados com luz azul e amarela ucraniana quando Trudeau chegou. A entrada para o PMO letão era emoldurada por duas enormes faixas azuis e amarelas que se estendiam por vários andares.

Karins disse a Trudeau que a invasão russa não conseguiu "abrir uma brecha entre a Europa e a América do Norte, criar uma brecha entre os parceiros da OTAN". Em vez disso, ele disse, "exatamente o oposto" aconteceu e houve uma "união de mentes".

Trudeau disse aos líderes do Báltico que o Canadá tem a terceira maior população de ucranianos do mundo depois da Ucrânia e da Rússia, "então estamos profundamente preocupados e engajados com este conflito na Ucrânia".

Mas ele acrescentou que o impacto das ações da Rússia é extraordinariamente desafiador para seus cidadãos porque eles estão muito próximos da Rússia.

"Estamos demonstrando que, ao contrário do que Putin pensa ou erroneamente pensou, as democracias podem e vão defender não apenas a si mesmas e seu território, mas os princípios e regras e os valores que realmente nos fazem bem-sucedidos", disse Trudeau.

Mais tarde na terça-feira, Trudeau manterá conversas com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, enquanto a invasão da Rússia na Ucrânia se aproxima da marca de duas semanas.

Trudeau e Stoltenberg devem se encontrar na Base Militar Adazi, onde as tropas da OTAN estão estacionadas em uma missão liderada por várias centenas de canadenses.

A missão da OTAN na Letônia é um dos quatro esforços desse tipo nos países bálticos e na Polônia, destinados a demonstrar a força da aliança da OTAN na região contra a Rússia.

O presidente russo, Vladimir Putin, se ofende com a OTAN se acumulando nas fronteiras de seu país. Ele se opôs à expansão da OTAN em países que já estiveram na esfera da antiga União Soviética.

A Ucrânia não é membro da OTAN, mas buscava a adesão à aliança transatlântica de 30 países, bem como laços mais estreitos com a União Europeia. A Rússia anexou a Península da Crimeia da Ucrânia em 2014 após a derrubada do governo apoiado pelo Kremlin em Kiev.

Isso marcou a violação mais significativa de suas fronteiras desde a Segunda Guerra Mundial - um marco agora eclipsado pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%