MENU

14/04/2022 às 11h11min - Atualizada em 14/04/2022 às 11h11min

Bola de plasma do Sol atinge Terra nesta quinta e pode causar aurora boreal no Canadá

Uma bola de plasma do Sol, que explodiu recentemente, pode causar auroras boreais e austrais muito intensas, visíveis no Canadá

Co - autora: Isabela Peixer
Contilnet noticias
Foto: Divulgação
Na última segunda-feira (11), uma mancha solar “morta” explodiu, liberando grandes cargas de energia na forma de radiação. O evento também causou uma Ejeção de Massa Coronal (CME) em direção à Terra – basicamente, uma bola explosiva de plasma do Sol. E ela foi prevista para atingir nossa atmosfera hoje (14), durante o dia.

Mas não há motivo para pânico; ela não representa qualquer risco de impactos catastróficos para o planeta. O que poderemos sentir são os efeitos de uma tempestade geomagnética de nível leve a moderado, como oscilações nas operações de satélites ou na rede elétrica.

O momento da erupção solar (flare) foi registrado pelo satélite Solar Dynamics, da Nasa, e pelo Observatório Real da Bélgica.

Sua consequência mais aguardada (e bela) estará no céu: uma CME costuma causar auroras boreais e austrais muito intensas, visíveis em latitudes mais baixas que o normal.

Quando suas partículas eletricamente carregadas atingem o campo magnético terrestre, elas podem descer pelo polo Norte e Sul, interagindo com os gases da atmosfera. Isso libera energia em forma de fótons (partículas que compõe a luz), que criam as cores e formas dançantes no céu, que chamamos de “auroras”.

O espetáculo pode ser visto apenas nos países da região dos círculos polares, especialmente Canadá, Finlândia, Islândia, Noruega, Rússia e Suécia, além da Groenlândia (território dinamarquês) e do Alasca (nos Estados Unidos).

Esta semana, as auroras devem acontecer com mais intensidade em uma faixa mais larga do globo, incluindo locais como o norte dos Estados Unidos, a Nova Zelândia, e o sul da Argentina e do Chile.


Manchas e erupções solares

Manchas solares (sunspots) são aquelas regiões escuras na superfície do Sol. São causadas pelos intensos fluxos magnéticos e de plasma no interior da nossa estrela, que escapam para fora.

Elas são temporárias, podendo durar de poucas horas a alguns meses. O próprio processo de convecção do Sol “mata” essas manchas, despedaçando-as e deixando um rastro magneticamente perturbado.

A que explodiu esta semana foi a mancha solar AR2987, que gerou uma erupção de classe C, um tipo comum e que raramente causa impactos diretos na Terra.

Um detalhe curioso é que esta mancha já estava “morta”. Mas como? Dias ou semanas depois, manchas solares podem “ressuscitar”, com magnetismo reaparecendo na mesma região, e explodir novamente.

Algumas vezes, como na segunda-feira, estes “flares” podem disparar ejeções de massa coronal, que são enormes erupções de plasma e campos magnéticos do Sol, que viajam através do espaço a milhões de quilômetros por hora. Os eventos de classe C raramente geram CMEs mas, quando o fazem, são mais lentas e fracas.


Atividade solar e auroras

Durante as épocas mais calmas na superfície do Sol, o fluxo de partículas conhecido como “vento solar” é suficiente para desencadear auroras nas regiões polares do planeta.

Mas, durante as grandes CMEs, há uma maior perturbação no campo magnético da Terra, o que significa que as auroras podem aparecer em uma zona muito mais ampla. Elas são chamadas de “boreal”, se ocorrem no hemisfério Norte, ou de “austral”, no Sul.

Atualmente, o Sol atravessa um período de atividade elevada, que explica a maior ocorrência de auroras, tempestades geomagnéticas e outros fenômenos recentes. São os chamados “ciclos solares”, que duram cerca de 11 anos, alternando calmaria e atividade.

Este é o ciclo 25 – ou seja, o vigésimo quinto desde que as observações formais foram iniciadas, em 1755. O número de manchas solares segue aumentando, e deve atingir o pico em 2025.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%