MENU

28/06/2021 às 14h12min - Atualizada em 28/06/2021 às 14h12min

Libertada mãe de criança canadense do campo de detenção do ISIS na Síria

Canadense detida no campo de Al Roj acreditava estar no Iraque, após o diplomata americano Peter Galbraith garantir sua libertação

CBC News
https://www.cbc.ca/news/world/mother-isis-camp-irbil-1.6082900
EPA-EFE/AHMED MARDNLI

Uma mulher canadense detida em um campo de detenção do ISIS no nordeste da Síria, foi libertada com a ajuda do ex-diplomata dos EUA, Peter Galbraith, que ajudou a tirar sua filha de quatro anos do campo e levá-la aos parentes no Canadá no início deste ano.

 

"Posso confirmar que é verdade e que, sim, eu a trouxe para fora", disse Peter Galbraith à CBC News. "Foi uma iniciativa estritamente privada."

 

Galbraith é conhecido por ter boas relações com a Global Affairs Canada e também fortes relações com os curdos sírios e iraquianos.

 

Fontes dizem que a mulher chegou a Erbil, no norte do Iraque, no fim de semana, depois de ser libertada do campo de Al Roj, que abriga mais de 700 famílias de supostos militantes do ISIS.

 

O campo fica perto das fronteiras da Síria com a Turquia e o Iraque e está sob o controle das Forças Democráticas Sírias lideradas pelos curdos, que administram o que é conhecido como Administração Autônoma do Norte e Leste da Síria.

 

Ela era uma entre cerca de 30 canadenses, a maioria crianças, detida no acampamento e acredita-se que tenha sido a primeira adulta canadense a partir.

 

Sua libertação levantará questões sobre o impacto de outras mulheres canadenses e seus filhos que ainda adoecem no campo. Suas famílias têm feito lobby em Ottawa para repatriá-los.

 

"Este foi um caso especial", disse Galbraith, "porque [ela] fazia parte de um grupo de mulheres que havia rompido com a ideologia dominante do Estado Islâmico nos campos, vestindo roupas ocidentais e rejeitando-a, então ela estava em risco . "

 

O diplomata também disse que ela ajudou as autoridades a localizar uma criança yazidi desaparecida em um dos campos.

 

Diz que foi ingênua quando trocou o Canadá pela Síria

 

Quando a CBC News encontrou e entrevistou a mulher em março, que tinha 30 anos na época, ela disse que já havia sido ameaçada por mulheres do campo que ainda eram leais ao ISIS.

 

Na época, ela se descreveu para a CBC News como sendo ingênua quando deixou o Canadá aos 23 anos e disse ter sido facilmente liderada por outros membros da comunidade. Disse que era dona de casa, não militante, e que sabia que havia cometido um erro assim que cruzou a fronteira com o chamado califado.

 

Ottawa sempre sustentou que as condições no nordeste da Síria são muito perigosas para as autoridades consulares visitarem, mas que se um canadense se apresentar a uma embaixada, será obrigado a ajudar. 

 

Quando a filha da canadense foi libertada do acampamento em março, a Global Affairs Canada divulgou um comunicado de que não estava envolvida em garantir a saída da criança do nordeste da Síria.

 

"O governo do Canadá forneceu assistência consular para facilitar a viagem da criança do Iraque para o Canadá", disse o documento.

 

Não está claro quais os procedimentos em vigor para a repatriação de um cidadão canadense acusado do crime de pertencer a um grupo na lista de entidades terroristas do Canadá.

 

A Global Affairs Canada foi solicitada a comentar sobre o assunto.

 

 

Coautoria: Viktória Matos

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.5%
5.1%
8.3%