MENU

18/08/2021 às 09h40min - Atualizada em 18/08/2021 às 09h40min

O Major-General Dany Fortin será acusado formalmente de agressão sexual em Quebec

Ele estava trabalhando no incentivo à vacinação contra o Covid-19 quando foi afastado para investigações

Redação North News
CTV News
THE CANADIAN PRESS/Adrian Wyld

O Major-General Dany Fortin será formalmente acusado pela polícia de Gatineau nesta quarta-feira (18) com uma denúncia de agressão sexual, de acordo com seu advogado.

 

Ele se apresenta no tribunal às 9h00, a pedido da polícia, e deve falar com a mídia cerca de 15 minutos depois.

 

Seu advogado disse que ainda não viu a papelada da acusação.

 

Fortin negou qualquer irregularidade. As acusações devem estar relacionadas a alegações que datam de 1989, quando Fortin era estudante no Royal Military College em Saint-Jean, Quebec.

 

Fortin foi o rosto da implementação da vacina de COVID-19 no Canadá até meados de maio, época em que foi removido quando a investigação veio à tona. Ele foi dispensado em 14 de maio, cinco dias antes do Serviço Nacional de Investigação das Forças Canadenses encaminhar uma investigação de má conduta sexual ao Ministério Público de Quebec para determinar se as acusações criminais deveriam ser feitas.

 

O Primeiro-Ministro Justin Trudeau e o Ministro da Defesa Harjit Sajjan sabiam da investigação semanas antes de Fortin ser removido do comando da força-tarefa de vacinas contra o COVID-19.

 

“Em relação a esta situação, ela está sendo conduzida e acompanhada de forma adequada pelas autoridades competentes e lideranças militares. Em situações como esta, essas autoridades podem tomar a decisão de informar a mim e ao meu escritório, o que fizeram neste caso, algumas semanas atrás”, disse Trudeau aos repórteres em 18 de maio.“ Como é apropriado, não recebi detalhes do que está sendo alegado, o que está acontecendo em termos de investigação.”

 

Em uma declaração juramentada em 13 de julho, Fortin disse que o impacto da investigação em sua reputação e carreira "foi devastador".

 

"Atualmente minha carreira parece ter acabado", acrescentou.

 

Fortin e sua equipe jurídica se opuseram à sua demissão e às acusações contra ele. Eles alegam que removê-lo de seu posto como líder do lançamento da vacinação de COVID-19 do Canadá não foi razoável, não teve justiça processual e envolveu interferência política indevida na cadeia de comando militar do Primeiro-Ministro Justin Trudeau, da Ministra da Saúde Patty Hajdu e Sajjan.

 

Além disso, eles argumentam que violaram seu direito à privacidade e prejudicaram sua reputação ao anunciar sua rescisão.

 

Em julho, seus advogados entraram com um pedido no Tribunal Federal buscando uma revisão judicial da decisão de encerrar seu cargo na Agência de Saúde Pública do Canadá, para que a decisão fosse anulada e ele fosse reintegrado no PHAC ou em outro cargo.

 

Nenhuma das alegações foi provada em tribunal ainda.

 

Notas pelo chefe da defesa em exercício, o Tenente-General Wayne Eyre, divulgadas em agosto, revelam a luta nos bastidores para lidar com a acusação contra Fortin, que remonta a 16 de março. As notas manuscritas e e-mails redigidos mostram um esforço para pesar a possibilidade de consequências políticas e escândalo público.

 

Uma nota datada de 19 de março marcava e sublinhava "opções". A nota mostra três escolhas aparentes: "deixar na posição", "remover" e "afastar-se".

 

Deixar Fortin no cargo implicava "riscos políticos" e "institucionais", de acordo com as notas.


Co-autora: Amanda Rodrigues Leal


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

87.4%
4.8%
7.8%