MENU

28/01/2022 às 08h03min - Atualizada em 28/01/2022 às 08h03min

Rússia diz que não vai começar uma guerra com o aumento das tensões na Ucrânia

A resposta oficial da Rússia a essas propostas – e a decisão final sobre a invasão – cabe ao presidente Vladimir Putin, mas o Kremlin deu uma nota sombria até agora, dizendo que há “pouco motivo para otimismo”.

Co - autora: Isabela Peixer
CP 24h

O principal diplomata da Rússia disse na sexta-feira que Moscou não iniciará uma guerra, mas alertou que não permitirá que o Ocidente atropele seus interesses de segurança em meio a temores de que planeja invadir a Ucrânia.

O presidente dos EUA, Joe Biden, alertou o presidente da Ucrânia um dia antes que existe uma “possibilidade distinta” de que a Rússia possa tomar uma ação militar contra seu vizinho em fevereiro.

"Não haverá guerra, pois depende da Federação Russa, não queremos uma guerra", disse o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, em entrevista ao vivo a estações de rádio russas. “Mas não vamos deixar nossos interesses serem grosseiramente pisoteados e ignorados.”

As tensões aumentaram nas últimas semanas, e os Estados Unidos e seus aliados da Otan temem que a concentração de cerca de 100.000 soldados russos perto da Ucrânia prenuncia a intenção de Moscou de atacar o ex-Estado soviético. A Rússia negou repetidamente ter tais planos, mas exigiu que a Otan prometa que a Ucrânia nunca será autorizada a ingressar e que a aliança desfaça o envio de tropas e equipamentos militares na Europa Oriental.

Os EUA e a OTAN rejeitaram formalmente essas exigências esta semana, embora Washington tenha delineado áreas onde as discussões são possíveis, talvez oferecendo um caminho para a desescalada.

A resposta oficial da Rússia a essas propostas – e a decisão final sobre a invasão – cabe ao presidente Vladimir Putin, mas o Kremlin deu uma nota sombria até agora, dizendo que há “pouco motivo para otimismo”.

Lavrov observou na sexta-feira que os EUA sugeriram que os dois lados pudessem falar sobre limites na implantação de mísseis de alcance intermediário, restrições a exercícios militares e regras para evitar acidentes entre navios de guerra e aeronaves. Ele disse que a Rússia propôs discutir essas questões anos atrás - mas Washington e seus aliados nunca os abordaram até agora.

Embora tenha descrito as ofertas dos EUA para o diálogo sobre medidas de construção de confiança como razoáveis, ele enfatizou que as principais preocupações da Rússia são impedir a expansão da OTAN e a implantação das armas da aliança perto das fronteiras da Rússia. Ele observou que os acordos internacionais dizem que a segurança de uma nação não deve vir à custa de outras - e que ele enviaria cartas para pedir a seus colegas ocidentais que abordem essa obrigação.

“Será difícil para eles se esquivar de responder por que não estão cumprindo as obrigações seladas por seus líderes para não fortalecer sua segurança às custas de outros”, disse ele.

À medida que as tensões aumentam, Washington alertou Moscou sobre sanções devastadoras se invadir a Ucrânia, incluindo penalidades contra altos funcionários russos e setores econômicos importantes. Vários altos funcionários dos EUA também disseram na quinta-feira que a Alemanha não permitirá que um oleoduto recém-construído - que deve trazer gás diretamente da Rússia - comece a operar se a Rússia invadir a Ucrânia.

Questionado sobre possíveis sanções, Lavrov disse que Moscou alertou Washington de que sua introdução equivaleria a um rompimento completo dos laços.

Enquanto Moscou e o Ocidente estão ponderando seus próximos passos, a Otan disse que está reforçando sua dissuasão na região do Mar Báltico, e os EUA ordenaram 8.500 soldados em alerta máximo para um possível deslocamento para a Europa.

A Rússia lançou uma série de exercícios militares envolvendo unidades de infantaria e artilharia motorizadas no sudoeste da Rússia, aviões de guerra em Kaliningrado no Mar Báltico, dezenas de navios de guerra no Mar Negro e no Ártico. Os militares russos também transferiram tropas para a Bielorrússia, que faz fronteira com a Ucrânia, para realizar exercícios conjuntos, levantando temores ocidentais de que Moscou possa realizar um ataque do norte.

Enquanto aumentam as preocupações sobre uma invasão, a Ucrânia já está cercada de conflitos. Após a deposição de um presidente amigo do Kremlin em Kiev em 2014, Moscou anexou a Península da Crimeia na Ucrânia e apoiou uma insurgência no centro industrial oriental do país. Os combates entre as forças ucranianas e os rebeldes apoiados pela Rússia mataram mais de 14.000 pessoas, e os esforços para chegar a um acordo pararam.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%