MENU

04/02/2022 às 09h35min - Atualizada em 04/02/2022 às 09h35min

Rússia e China reagem contra EUA em cúpula pré-olímpica

As discussões marcam sua primeira reunião presencial desde 2019 e ocorrem no momento em que China e Rússia alinham cada vez mais suas políticas externas bilateralmente e em órgãos mundiais como as Nações Unidas, em oposição ao bloco liderado pelos Estados Unidos.

Co - autora: Isabela Peixer
CP 24h
CP 24h
Os líderes da Rússia e da China reagiram contra a pressão dos EUA nesta sexta-feira, declarando sua oposição a qualquer expansão da Otan e afirmando que a ilha de Taiwan faz parte da China, quando se reuniram horas antes dos Jogos Olímpicos de Inverno começarem. fora em Pequim.

O russo Vladimir Putin e o chinês Xi Jinping emitiram uma declaração conjunta destacando o que chamou de "interferência nos assuntos internos" de outros estados, enquanto a Rússia acumula tropas em sua fronteira com a Ucrânia e a China sedia os jogos globais.

"Algumas forças que representam uma minoria no cenário mundial continuam a defender abordagens unilaterais para resolver problemas internacionais e recorrer à política militar", dizia, em uma referência velada aos EUA e seus aliados.

Os dois líderes procuram se projetar como um contrapeso aos EUA e seus aliados, à medida que a China mostra cada vez mais apoio a Moscou em sua disputa com a Ucrânia, que ameaça desencadear um conflito armado.

A presença de Putin o torna o convidado de maior destaque nos Jogos de Pequim após a decisão dos EUA, Grã-Bretanha e outros de não enviar autoridades em protesto contra os abusos dos direitos humanos da China e seu tratamento aos uigures e outras minorias muçulmanas.

Reunindo-se com Xi, Putin elogiou as relações próximas "sem precedentes" com a China, em discursos de abertura transmitidos pela televisão russa.

As relações "estão se desenvolvendo de forma progressiva com um espírito de amizade e parceria estratégica", disse Putin. "Eles realmente se tornaram sem precedentes. É um exemplo de relações dignas que apoiam o desenvolvimento mútuo."

Putin destacou laços econômicos estreitos, incluindo um novo contrato para fornecer à China 10 bilhões de metros cúbicos de gás por ano do leste da Rússia.

"Para nossa reunião de hoje, nossos petroleiros prepararam novas soluções muito boas para o fornecimento de hidrocarbonetos à República Popular da China, e outro passo à frente foi dado na indústria do gás", disse Putin.

A Rússia tem sido um importante fornecedor de petróleo, gás e carvão para a enorme economia da China, agora a segunda maior do mundo, juntamente com alimentos e outras matérias-primas.

A agência de notícias estatal da China informou que os dois líderes se encontraram no Diaoyutai State Guesthouse na tarde de sexta-feira, mas não deu detalhes. Eles não pareciam apertar as mãos ao se cumprimentar devido às precauções do COVID-19.

Putin também lembrou sua presença em Pequim para os Jogos Olímpicos de Verão de 2008 e a participação da delegação chinesa nos Jogos de Inverno de 2014 da Rússia em Sochi, chamando essas trocas de "até certo ponto uma tradição".

As discussões marcam sua primeira reunião presencial desde 2019 e ocorrem no momento em que China e Rússia alinham cada vez mais suas políticas externas bilateralmente e em órgãos mundiais como as Nações Unidas, em oposição ao bloco liderado pelos Estados Unidos.

Os líderes das cinco nações ex-soviéticas da Ásia Central, que têm laços estreitos com a Rússia e a China, seguiram a liderança de Putin e estão presentes, juntamente com outros estados que têm interesses políticos e econômicos com Pequim.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, o diretor da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e o diretor-geral da Organização Mundial da Propriedade Intelectual, Daren Tang, estavam entre outros dignitários que chegaram na quinta-feira.

Um acúmulo de mais de 100.000 soldados russos perto da Ucrânia alimentou os temores ocidentais de que Moscou está prestes a invadir seu vizinho. A Rússia negou planejar uma ofensiva, mas instou os EUA e seus aliados a fornecer uma promessa vinculativa de que a Otan não se expandirá para a Ucrânia e outras nações ex-soviéticas ou implantará armas lá, e retirará suas forças da Europa Oriental - demandas firmemente rejeitadas. pelo Ocidente.

Putin e Xi acusaram outros países e alianças de tentar obter vantagem militar que piora a segurança de outros, citando tanto a OTAN quanto a estratégia Indo-Pacífica da América de construir laços mais estreitos com outros países da Ásia.

"As partes se opõem a uma maior expansão da OTAN (e) pedem à Aliança do Atlântico Norte que abandone as abordagens ideológicas da Guerra Fria", disse o comunicado conjunto.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse ao secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em uma ligação na semana passada que as preocupações de segurança de Moscou precisam ser levadas a sério e abordadas, uma declaração que marcou uma notável mudança de política para Pequim.

Alguns observadores sugeriram que Pequim está observando de perto como os EUA e seus aliados agem no impasse sobre a Ucrânia enquanto pondera sobre novas estratégias para Taiwan, argumentando que a indecisão de Washington pode encorajar a China a se tornar mais assertiva.

A declaração conjunta disse que a Rússia reafirma que Taiwan é parte integrante da China e se opõe à independência de Taiwan de qualquer forma.

A Rússia e a China realizaram uma série de jogos de guerra conjuntos, incluindo exercícios navais e patrulhas de bombardeiros de longo alcance sobre o Mar do Japão e o Mar da China Oriental. Em agosto, tropas russas foram enviadas pela primeira vez ao território chinês para manobras conjuntas.

Putin também observou que a Rússia tem compartilhado tecnologias militares altamente sensíveis com a China que ajudaram a reforçar significativamente sua capacidade de defesa.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%