MENU

18/02/2022 às 12h39min - Atualizada em 18/02/2022 às 12h39min

Rússia realizará exercícios nucleares com tensão na Ucrânia alta

Apesar das duras advertências dos EUA, as autoridades ucranianas procuraram projetar calma, com Oleksii Danilov, chefe do Conselho de Segurança e Defesa Nacional, dizendo na quinta-feira que não havia sinais de que uma invasão russa em massa fosse iminente.

Co - autoras: Isabela Peixer
CTV News
Foto AP/Czarek Sokolowski
A Rússia anunciou exercícios nucleares massivos, enquanto líderes ocidentais buscavam na sexta-feira maneiras de evitar uma nova guerra na Europa em meio a crescentes tensões Leste-Oeste, após advertências estranhamente terríveis dos EUA de que Moscou poderia ordenar uma invasão da Ucrânia a qualquer dia.

Preocupações imediatas se concentraram nas voláteis linhas de frente do leste da Ucrânia, onde um surto recente de bombardeios destruiu as paredes de um jardim de infância e a comunicação básica foi interrompida. Autoridades ocidentais, focadas em cerca de 150.000 soldados russos posicionados nas fronteiras da Ucrânia, temem que o conflito de longa data possa fornecer a faísca para uma guerra mais ampla.

Os alertas de que um conflito maior poderia começar a qualquer momento continuaram na sexta-feira, depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, alertou que Washington não viu sinais de uma prometida retirada russa - mas viu mais tropas se movendo em direção à fronteira com a Ucrânia.

O secretário de Defesa, Lloyd Austin, disse que os EUA acreditam que a Rússia pode lançar um ataque "a qualquer momento" e também disse que ainda não viu nenhum sinal da prometida retirada russa. Ele fará uma ligação na sexta-feira com o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu.

Mesmo com a Rússia alegando estar retirando tropas de extensos exercícios militares que provocaram temores de invasão, o Kremlin enviou um lembrete ao mundo de que possui um dos maiores arsenais nucleares do mundo, anunciando exercícios de suas forças nucleares para o fim de semana. A flexibilidade dos músculos ofuscou as ofertas russas nesta semana de diplomacia contínua para desarmar a crise na Ucrânia.

Os aliados da Otan também estão flexionando seu poder, reforçando as forças militares em todo o leste europeu, mas insistem que as ações são puramente defensivas e para mostrar unidade diante das ameaças russas.

Os EUA anunciaram a venda de US$ 6 bilhões de 250 tanques para a Polônia, um membro da OTAN que foi ocupado ou atacado pela Rússia nos últimos séculos. Ao anunciar o acordo, Austin disse que o reforço militar da Rússia apenas revigorou a Otan em vez de amedrontá-la, como Moscou esperava.

Enquanto isso, líderes mundiais reunidos na Conferência de Segurança de Munique alertaram que o equilíbrio de segurança da Europa está ameaçado. A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse que a situação está "colocando em questão os princípios básicos da ordem de paz europeia".

"Mesmo passos, milímetros em direção à paz são melhores do que um grande passo em direção à guerra", disse ela.

Moscou negou qualquer intenção de atacar seu vizinho, e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, zombou do alerta ocidental de uma invasão iminente como "falsificações" que "causam um sorriso" em comentários transmitidos na sexta-feira.

Apesar das negações russas, Washington e seus aliados estão preocupados que o conflito separatista de longa data no leste da Ucrânia possa fornecer uma desculpa para uma invasão, embora não tenham fornecido detalhes.

Com as tensões já em seu nível mais alto desde a Guerra Fria, os militares russos anunciaram que o presidente Vladimir Putin monitorará um exercício abrangente das forças nucleares do país no sábado, que envolverá vários lançamentos de mísseis de prática - um lembrete gritante do poder nuclear do país em meio à crise. confronto com o Ocidente.


Embora o Kremlin insista que não tem planos de invasão, ele pediu ao Ocidente que mantenha a Ucrânia fora da Otan e recue as forças da aliança do Leste Europeu - demandas totalmente rejeitadas pelos aliados ocidentais.

Biden planejava falar por telefone na sexta-feira com líderes transatlânticos sobre o acúmulo militar russo e os esforços contínuos de dissuasão e diplomacia.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, revelou algumas conclusões da inteligência dos EUA no discurso de quinta-feira no Conselho de Segurança da ONU, alertando que a Rússia poderia criar um falso pretexto para uma invasão com um "chamado bombardeio terrorista" dentro da Rússia, um ataque de drones encenado, " um ataque falso, até mesmo real, usando armas químicas." Ele acusou que a invasão começaria com ataques cibernéticos, além de ataques com mísseis e bombas em toda a Ucrânia, descrevendo a entrada de tropas russas e seu avanço em Kiev, uma cidade de quase 3 milhões de habitantes, e outros alvos importantes.

Apesar das duras advertências dos EUA, as autoridades ucranianas procuraram projetar calma, com Oleksii Danilov, chefe do Conselho de Segurança e Defesa Nacional, dizendo na quinta-feira que não havia sinais de que uma invasão russa em massa fosse iminente.

"Nós não enfraquecemos a ameaça em nenhum caso, mas a possibilidade de escalada é considerada relativamente baixa em relação à invasão em larga escala da Ucrânia", disse o ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksii Reznikov, a parlamentares na sexta-feira.

No entanto, autoridades americanas e europeias estavam em alerta máximo para qualquer tentativa russa de uma chamada operação de bandeira falsa, de acordo com uma autoridade ocidental familiarizada com as descobertas da inteligência. Autoridades do governo ucraniano compartilharam informações com aliados que sugeriram que os russos podem tentar bombardear as áreas na região de Luhansk controladas por separatistas apoiados por Moscou na manhã de sexta-feira, como parte de um esforço para criar uma falsa razão para tomar uma ação militar, de acordo com o funcionário que não estava autorizado a comentar publicamente.

A área registrou um aumento acentuado no bombardeio na quinta-feira, com monitores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa relatando mais de 500 explosões antes que as tensões diminuíssem à noite. Autoridades ucranianas e separatistas trocaram acusações de violações de uma trégua instável no conflito de quase 8 anos no centro industrial do leste da Ucrânia, chamado Donbas. O conflito eclodiu logo após a anexação da península ucraniana da Crimeia pela Rússia em 2014 e matou 14.000.

O comando militar ucraniano disse que os projéteis atingiram um jardim de infância em Stanytsia Luhanska, ferindo três pessoas e cortando a energia para metade da cidade. Os rebeldes disseram que quase 19 casas foram danificadas pelo fogo ucraniano.

No início da sexta-feira, autoridades separatistas nas regiões de Luhansk e Donetsk relataram mais bombardeios de forças ucranianas ao longo da tensa linha de contato e o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a situação é "potencialmente muito perigosa".

Autoridades ucranianas acusaram os rebeldes de intensificar os bombardeios na esperança de provocar um ataque de retaliação das forças do governo.

O chefe militar ucraniano, Valerii Zaluzhnyi, disse que "não está planejando nenhuma operação ofensiva ou bombardeio de civis", acrescentando que "nossas ações são puramente defensivas".

Mas em meio aos temores de que um conflito mais amplo ainda possa ocorrer, uma enxurrada de diplomacia é esperada esta semana.

Além da ligação entre os chefes de defesa russo e americano, Blinken deve se encontrar com seu colega russo na próxima semana.

Enquanto isso, Putin se reuniu na sexta-feira com o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, para discutir os exercícios conjuntos em andamento na Bielorrússia, que faz fronteira com a Ucrânia ao norte. O exercício maciço envolvendo forças russas movidas do Extremo Oriente alimentou os temores ocidentais de que eles poderiam usá-lo para cortar um caminho mais curto para a capital ucraniana.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você vai se imunizar contra o novo coronavírus (Covid-19)?

86.7%
7.1%
6.2%